Mas porque Almas Castelos? Eu conheci algumas. São pessoas cujas almas se parecem com um castelo. São fortes e combativas, contendo no seu interior inúmeras salas, cada qual com sua particularidade e sua maravilha. Conversar, ouvir uma história... é como passear pelas salas de sua alma, de seu castelo. Cada sala uma história, cada conversa uma sala. São pessoas de fé flamejante que, por sua palavra, levam ao próximo: fé, esperança e caridade. São verdadeiras fortalezas como os muros de um Castelo contra a crise moral e as tendências desordenadas do mundo moderno. Quando encontramos essas pessoas, percebemos que conhecer sua alma, seu interior, é o mesmo que visitar um castelo com suas inúmeras salas. São pessoas que voam para a região mais alta do pensamento e se elevam como uma águia, admirando os horizontes e o sol... Vivem na grandeza das montanhas rochosas onde os ventos são para os heróis... Eu conheci algumas dessas águias do pensamento. Foram meus professores e mestres, meus avós e sobretudo meus Pais que enriqueceram minha juventude e me deram a devida formação Católica Apostolica Romana através das mais belas histórias.

A arte de contar histórias está sumindo, infelizmente.

O contador de histórias sempre ocupou um lugar muito importante em outras épocas.

As famílias não têm mais a união de outrora, as conversas entre amigos se tornaram banais. Contar histórias: Une as famílias, anima uma conversa, torna a aula agradável, reata as conversas entre pais e filhos, dá sabedoria aos adultos, torna um jantar interessante, aguça a inteligência, ilustra conferências... Pense nisso.

Há sempre uma história para qualquer ocasião.

“Ide por todo o mundo e pregai o Evangelho a toda criatura” (Mc. 16:15)

Nosso Senhor Jesus Cristo ensinava por parábolas. Peço a Nossa Senhora que recompense ao cêntuplo, todas as pessoas que visitarem este Blog e de alguma forma me ajudarem a divulga-lo. Convido você a ser um seguidor. Autorizo a copiar todas as matérias publicadas neste blog, mas peço a gentileza de mencionarem a fonte de onde originalmente foi extraída. Além de contos, estórias, histórias e poesias, o blog poderá trazer notícias e outras matérias para debates.
Agradeço todos os Sêlos, Prêmios e Reconhecimentos que o Blog Almas Castelos recebeu. Todos eles dou para Nossa Senhora, sem a qual o Almas Castelos não existiria. Por uma questão de estética os mesmos foram colocados na barra lateral direita do Blog. Obrigado. Que a Santa Mãe de Deus abençoe a todos.

sábado, 8 de janeiro de 2011

A lágrima do perdão


Os historiadores narram curioso episódio ocorrido com o imperador Francisco José, da Áustria.

Levaram certa vez ao velho monarca, para a formalidade da assinatura, uma sentença de morte. Com mão trêmula pôs o seu nome, mas no mesmo instante uma lágrima rolou dos olhos do ancião sobre o papel, deformando e desfazendo, em parte, a assinatura. O imperador tomou do papel e entregando-o ao secretário disse:

- Lágrimas apagam a culpa. Meu nome é ilegível e portanto sem valor. O réu está perdoado.

O grande monarca, ao praticar esse ato de piedade, fora naturalmente inspirado por uma graça de Deus.

A Igreja e os teólogos distinguem duas espécies de graças: uma é chamada graça atual, outra graça habitual.

A graça atual, assim como a indica seu nome, é transitória, passageira; é um socorro momentâneo pelo qual Deus nos excita e ampara na fuga do mal e na prática do bem. Esse socorro divino, que nos é dado em tempo oportuno, é luz que nos alumia a inteligência, excitação que nos fortalece a vontade, enfim um bom impulso que nos ajuda, mas não faz tudo sem nós: para alcançar o seu fim, a graça atual precisa da nossa cooperação. Se a ela correspondermos fielmente, adquirimos um mérito; se, por nossa vontade, a tornarmos ineficaz, somos culpados.

A graça habitual, chamada, também, santificante, permanece em nossa alma e a torna santa e agradável a Deus. Não é um socorro transitório, mas uma influencia constante, divinamente espargida na alma.
Eis porque esta graça, na Escritura Sagrada, é geralmente designada pelo nome de Vida. É, com efeito, a vida sobrenatural da alma; chama-se estado de graça, e, ainda, caridade.

(“Lendas do Céu e da Terra” – Malba Tahan)

2 comentários:

  1. E muitas vezes recebemos graças que nem percebemos. Ou, quando percebemos, esquecemos de agradecer ao Senhor...

    ResponderExcluir
  2. Surpreendente esse Malba Tahan. Não tinha visto essa postagem.Eu gostei imenso, Jorge. Graça atual e graça habitual; muito interessante esse conceito. Parabéns, com um abraço!

    ResponderExcluir