Mas porque Almas Castelos? Eu conheci algumas. São pessoas cujas almas se parecem com um castelo. São fortes e combativas, contendo no seu interior inúmeras salas, cada qual com sua particularidade e sua maravilha. Conversar, ouvir uma história... é como passear pelas salas de sua alma, de seu castelo. Cada sala uma história, cada conversa uma sala. São pessoas de fé flamejante que, por sua palavra, levam ao próximo: fé, esperança e caridade. São verdadeiras fortalezas como os muros de um Castelo contra a crise moral e as tendências desordenadas do mundo moderno. Quando encontramos essas pessoas, percebemos que conhecer sua alma, seu interior, é o mesmo que visitar um castelo com suas inúmeras salas. São pessoas que voam para a região mais alta do pensamento e se elevam como uma águia, admirando os horizontes e o sol... Vivem na grandeza das montanhas rochosas onde os ventos são para os heróis... Eu conheci algumas dessas águias do pensamento. Foram meus professores e mestres, meus avós e sobretudo meus Pais que enriqueceram minha juventude e me deram a devida formação Católica Apostolica Romana através das mais belas histórias.

A arte de contar histórias está sumindo, infelizmente.

O contador de histórias sempre ocupou um lugar muito importante em outras épocas.

As famílias não têm mais a união de outrora, as conversas entre amigos se tornaram banais. Contar histórias: Une as famílias, anima uma conversa, torna a aula agradável, reata as conversas entre pais e filhos, dá sabedoria aos adultos, torna um jantar interessante, aguça a inteligência, ilustra conferências... Pense nisso.

Há sempre uma história para qualquer ocasião.

“Ide por todo o mundo e pregai o Evangelho a toda criatura” (Mc. 16:15)

Nosso Senhor Jesus Cristo ensinava por parábolas. Peço a Nossa Senhora que recompense ao cêntuplo, todas as pessoas que visitarem este Blog e de alguma forma me ajudarem a divulga-lo. Convido você a ser um seguidor. Autorizo a copiar todas as matérias publicadas neste blog, mas peço a gentileza de mencionarem a fonte de onde originalmente foi extraída. Além de contos, estórias, histórias e poesias, o blog poderá trazer notícias e outras matérias para debates.
Agradeço todos os Sêlos, Prêmios e Reconhecimentos que o Blog Almas Castelos recebeu. Todos eles dou para Nossa Senhora, sem a qual o Almas Castelos não existiria. Por uma questão de estética os mesmos foram colocados na barra lateral direita do Blog. Obrigado. Que a Santa Mãe de Deus abençoe a todos.

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Xeque-Mate no diabo

O Jogo de Xadrez é um jogo muito interessante. Além de entreter as pessoas, é um ótimo estimulador da inteligência.
Um bom jogador deve estudar os tipos de ataques e de defesa. Cada tipo de ataque ou de defesa tem um nome. Não se trata de simplesmente movimentar as peças, mas o movimento deve ser acompanhado com raciocínio e estratégia.

No livro "Lendas do Deserto", escrito por Malba Tahan, há uma lenda árabe sobre o xadrez:

Conheci na célebre cidade de Damasco, já lá se vão muitos anos, um velho enxadrista cristão chamado Ibrahim Calemah.
Era um homem baixo, calvo, de barbas brancas; tinha o nariz deformado por uma cicatriz; os seus olhos negros, extremamente vivos pareciam dois pequeninos besouros - desses estranhos besouros do deserto que os árabes de minha tribo denominavam astemalak.
Contaram-me os damascenos que o Xeque Ibrahim, por causa da sua incorrigível mania e paixão pelo jogo de xadrez, se envolvera em perigosas aventuras.
De uma feita viu-se em séria atrapalhação com o próprio Diabo!
Com o Diabo?
Devia ser surpreendente essa aventura do cristão com o Maligno que os árabes denominam Cheitã. Procurei conhecê-la. E um dia finalmente, naquele pequeno café que fica junto à porta de Santo Tomás, interroguei sobre o caso o famoso enxadrista.
Como conseguira ele enfrentar o próprio Gênio do Mal?
O velho Ibrahim, com sua enorme paciência, contou-me o seguinte:

- Nesse tempo eu não passava de um presumido enxadrista. A vaidade encastelara-se em meu coração. Tinha-me na conta de invencível. Conhecia milhares de golpes, lances secretos, contra-ataques e xeques que seriam suficientes para desnortear o adversário mais perigoso.
Uma noite, depois de ter derrotado, num violento torneio, vários campeões, um de meus amigos interpelou-me:

- "Você teria coragem de bater-se contra o Emir de Hedjaz, o campeão da Arábia?".

- "Ora, ora" – respondi em tom de menoscabo. – "Eu seria capaz de jogar xadrez até com o Diabo!".
Aquela minha descabida bravata, dita com seriedade e convicção, surpreendeu os meus companheiros. Um pesado e impressionante silêncio seguiu-se às minhas palavras. Um maronita, bom católico, fitou-me horrorizado e respondeu-me circunspecto:

- "Não diga isso, Ibrahim! É uma afronta à nossa crença!".

- "Qual afronta, nem meia afronta!" - repliquei desabusado. – "Diante do tabuleiro não temo adversário algum!".

Nessa noite, entretanto, ao regressar para casa sentia que praticara uma grave imprudência. Uma inquietação indefinível pesava em meu espírito já um pouco conturbado. Procurei dominar a sensação de temor que pouco a pouco me invadia.
A noite estava muito escura; poucas estrelas se avistavam no céu de Damasco. O vento, com rajadas incertas, varria as ruas desertas, uivando como um chacal faminto.
Passei por Aab-el Feredj, caminhei pela rua Menac e cheguei finalmente em nossa casa em Elebeh. Minhas irmãs dias antes haviam seguido para Jerusalém e eu me achava, por isso, só.
Abri cautelosamente a porta e entrei. Acendi logo a vela e encaminhei-me para o meu quarto.
O tabuleiro de xadrez, com as suas trinta e duas peças, achava-se justamente como eu o havia deixado.
E como me sentisse vagamente nervoso e sem sono, resolvi analisar uma das partidas que havia jogado, de tarde, durante o torneio. Preparei pois o tabuleiro e arrumei todas as peças em seus lugares.
Nesse momento ouvi um estranho ruído. Voltei-me rápido e vi de pé diante de mim um cavaleiro alto, de ombros largos, todo vestido de preto. O seu rosto era cor de bronze e seus olhos despediam um estranho lume.

- Quem é o senhor? - bradei, tomado de indizível espanto. - Que deseja a esta hora em minha casa?

- Calma, meu amigo - respondeu o desconhecido, fitando-me nos olhos, penetrantemente. Calma, ó Xeque Ibrahim! Em poucas palavras explicarei o motivo desta minha inesperada visita. Ouvi hoje o teu insensato desafio. A tua petulância irritou-me. E aqui estou para medir a tua tão celebrada força de enxadrista.

Só então percebi, trêmulo de pavor, que tinha diante de mim o Diabo - aquele inimigo que os árabes chamam Cheitã, o infernal.
Procurei dominar-me e balbuciei:

- Não me bato com o Demo!

- Mudarás de idéia, meu caro! - ameaçou Satã acompanhando as suas palavras de uma risadinha estridente, metálica, desagradável. - O desafio foi teu. E agora estás obrigado a aceitar-me como adversário.

E, depois de uma ligeira pausa, prosseguiu com severíssima catadura:

- Vamos jogar uma única partida. Se venceres receberás como prêmio esta bolsa com cem libras; se perderes terás que abandonar para sempre o jogo de xadrez!

Já mais calmo, enchi-me de coragem e respondi:

- Aceito a sua proposta. Vamos ao jogo, Sr. Diabo!

- Uma condição ainda - advertiu num tom muito grave o temível Cheitã - durante a nossa partida não farás gesto algum, nem dirás palavra que seja incompatível com a minha presença. Prometes?

- Assim o prometo - confirmei com segurança.

Sentamo-nos em silêncio diante do tabuleiro. O Diabo escolheu as pretas e eu joguei com as brancas.
Iniciei, desde logo, um ataque violento, com os peões; avancei com os bispos e coloquei em boa posição os meus cavalos. De repente, porém, por um descuido, perdi uma peça e o Diabo passou para a ofensiva. Ao fim de poucos lances a minha posição tornou-se delicadíssima; o meu rei estava sob a ameaça de xeque-mate, isto é, a partida para mim estava em grave perigo.
Procurei defender-me com as torres. Os meus planos, porém, foram inutilizados por um xeque duplo que atirou por terra a minha dama e um de meus bispos. Percebi, nesse momento, que estava perdido. O Diabo com, uma torre e dois cavalos, cercava o meu rei.
Em dado momento cascalhou uma grande risada e clamou:

- E agora, campeão? Ainda julgas que podes ganhar? Para um jogador de fama não seria preferível abandonar? Em poucos lances darei o xeque-mate no teu rei!

- Vamos! - bradei exaltado. - Não abandono! Quero ver esse xeque-mate!

No momento, porém, em que o Diabo tomou de sua torre preta para completar o lance final que lhe daria a vitória da partida, soltou um rugido surdo, tremendo, e desapareceu.
O abalo foi tão grande que rolei meio estonteado pelo chão.
Quando despertei do susto, as peças do xadrez - reis, torres e peões - estavam espalhadas em redor de mim. Ao pé da mesa, pesada de ouro, estava a bolsa escura. Era o prêmio da vitória.
Havia naquela singular aventura um mistério para mim indecifrável.
Por que teria o Diabo abandonado de repente a partida já inteiramente ganha por ele?
Com calma reconstituí no tabuleiro lance por lance a partida jogada. E, ao chegar ao golpe final, o caso ficou inteiramente esclarecido:
No último lance, em que deveria dar xeque-mate ao meu rei, as oito peças restantes, sobre o tabuleiro formavam a figura perfeita de uma cruz!
E impossibilitado de formar aquele símbolo sagrado, o meu infernal adversário viu-se obrigado a fugir!
Só mesmo a Cruz seria capaz de vencer e esmagar para sempre o Diabo!E com essas palavras o velho campeão dava por finda a narrativa de sua estranha aventura enxadrística.

2 comentários:

  1. " Eu Sempre quis Ser Santa. " - Santa Teresinha do Menino Jesus e da Santa Face...

    Um Santo Dia com Tudo de Bom e Bem...

    ResponderExcluir
  2. Que história interessante. Não conhecia este livro. Ótima dica para uma leiura, Jorge. Com a cruz de Cristo o Diabo nada pode. Obrigada pela bela partilha. Um grande abraço, um bom dia, boa sexta-feira :)

    ResponderExcluir