Mas porque Almas Castelos? Eu conheci algumas. São pessoas cujas almas se parecem com um castelo. São fortes e combativas, contendo no seu interior inúmeras salas, cada qual com sua particularidade e sua maravilha. Conversar, ouvir uma história... é como passear pelas salas de sua alma, de seu castelo. Cada sala uma história, cada conversa uma sala. São pessoas de fé flamejante que, por sua palavra, levam ao próximo: fé, esperança e caridade. São verdadeiras fortalezas como os muros de um Castelo contra a crise moral e as tendências desordenadas do mundo moderno. Quando encontramos essas pessoas, percebemos que conhecer sua alma, seu interior, é o mesmo que visitar um castelo com suas inúmeras salas. São pessoas que voam para a região mais alta do pensamento e se elevam como uma águia, admirando os horizontes e o sol... Vivem na grandeza das montanhas rochosas onde os ventos são para os heróis... Eu conheci algumas dessas águias do pensamento. Foram meus professores e mestres, meus avós e sobretudo meus Pais que enriqueceram minha juventude e me deram a devida formação Católica Apostolica Romana através das mais belas histórias.

A arte de contar histórias está sumindo, infelizmente.

O contador de histórias sempre ocupou um lugar muito importante em outras épocas.

As famílias não têm mais a união de outrora, as conversas entre amigos se tornaram banais. Contar histórias: Une as famílias, anima uma conversa, torna a aula agradável, reata as conversas entre pais e filhos, dá sabedoria aos adultos, torna um jantar interessante, aguça a inteligência, ilustra conferências... Pense nisso.

Há sempre uma história para qualquer ocasião.

“Ide por todo o mundo e pregai o Evangelho a toda criatura” (Mc. 16:15)

Nosso Senhor Jesus Cristo ensinava por parábolas. Peço a Nossa Senhora que recompense ao cêntuplo, todas as pessoas que visitarem este Blog e de alguma forma me ajudarem a divulga-lo. Convido você a ser um seguidor. Autorizo a copiar todas as matérias publicadas neste blog, mas peço a gentileza de mencionarem a fonte de onde originalmente foi extraída. Além de contos, estórias, histórias e poesias, o blog poderá trazer notícias e outras matérias para debates.
Agradeço todos os Sêlos, Prêmios e Reconhecimentos que o Blog Almas Castelos recebeu. Todos eles dou para Nossa Senhora, sem a qual o Almas Castelos não existiria. Por uma questão de estética os mesmos foram colocados na barra lateral direita do Blog. Obrigado. Que a Santa Mãe de Deus abençoe a todos.

terça-feira, 31 de agosto de 2010

O Médico Ateu


Recebi pela internet um conto que me interessou muito. Desconheço o autor e a veracidade dos fatos narrados. Mas o conto é tão edificante que resolvi posta-lo, porém com essas observações.

Lembro-me uma vez eu li sobre o caso de um professor de Medicina Norte Americano que era ateu. Numa de suas aulas toda cheia de materialismo, dizia que a medicina estava tão adiantada que quase estava vencendo a própria morte e que o céu e o inferno era um mito. A ciência ainda vencerá a morte, dizia ele.

De repente sua aula foi interrompida por uma emergência. Um de seus pacientes na UTI estava entrando no estado de “perpétuo descanso”. Todos saíram correndo para ver a atuação do ilustre mestre ateu. Chegado ao centro da UTI, já munido de aparelhos ressucitativos (máquina de choques), o médico iniciou os choques para ressuscitar o coração já inerte.

Ao primeiro choque, o morto arregalou os olhos e “adormeceu”.
O médico insistiu com um choque mais forte: o morto arregalou os olhos e contorceu totalmente a face causando enorme espanto entre os presentes. Nova investida do médico ateu com choque ainda mais forte: foi então que o corpo pulando de forma convulsiva, com os olhos arregalados e o rosto de forma horrenda disse: “Socorro, estou no inferno.” e caiu definitivamente morto.

Nem preciso dizer o susto entre os presentes. O médico largou os equipamentos e ficou todo empalidecido. O tumulto foi geral, desmaios e gritos dos presentes. O médico atônito ficou imóvel. Realmente o inferno existia.A partir desse dia em diante o médico passou a ter fé e a rezar todos os dias, ensinando em suas aulas como foi que ele passou a acreditar em Deus.

* * * * * *

Apesar de não ter a comprovação da veracidade do caso narrado acima, não me espantaria que fosse verdade mesmo, pois isso já
aconteceu.

A conversão de São Bruno se deu exatamente assim.
São Bruno nasceu em Colônia, na Alemanha em 1030 de família nobre.
Bruno presenciou um fato que modificou para sempre o resto dos seus dias:

Um homem que havia se afogado, foi retirado de um rio caudaloso. Estando para ser enterrado, fez-se o ofício fúnebre do qual São Bruno estava presente.
No entanto no meio do ofício ouviu-se o defunto falar por três vezes. A primeira disse: “Fui julgado”. A segunda: “Fui dado como culpado”. A terceira: “Fui condenado”. As pessoas se assustaram muito. São Bruno ficou tão impressionado com tudo isso que resolveu passar o resto dos seus dias no isolamento e no silencio. Foi assim que fundou uma das Ordens religiosas mais importantes e mais humildes que prestam austeridade e reconhecimento a Deus: A ordem de Cartuxa.

9 comentários:

  1. Oi, Jorge! Salve Maria!

    História arrepiante essa!!!... É bom para que as pessoas reflitam!...

    Fica com Deus!

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pela sua publicação. Gostei. Lembrar dos novíssimos do homem é coisa salutar.

    ResponderExcluir
  3. Jorge, Salve Maria! Que história boa essa. Há muitos casos onde Deus manifestou aos homens a existência do inferno. Cabe a nós sabermos disso e procurar o caminho do Céu.

    ResponderExcluir
  4. Saudações. Ví o filme "O Grande Silêncio" sobre os Cartuxos. É bom. Agradeço sua feliz e apostólica mensagem.

    ResponderExcluir
  5. Bom dia Jorge:
    Não conhecia sobre a Ordem Cartuxa. Muito interessante saber um pouco da vida do seu fundador e também refletir sobre o conto do médico ateu. Obrigada por fazer refletir e difundir a fé na outra vida que há de vir! Então, vamos em frente, com fé e coragem! Um abraço fraterno, boa semana ;)

    ResponderExcluir
  6. Agradeço a todos pelos comentários. Os Cartuxos, assim são chamados os monges da Cartuxa, fazem o melhor licor do mundo: o chartreuse. Tem o Branco (mais raro), o verde e o amarelo. Na sua composição tem mais de 130 espécies de ervas e flores. O segredo do licor é guardado dentro do mosteiro da Cartuxa.

    ResponderExcluir
  7. Um Feliz e Santo Domingo na Pax de Christi...

    ResponderExcluir
  8. Muito interessante, obrigada Jorge por partilhar tais informações. Também não sabia do licor que tais monges fazem. Um grande abraço, ;)

    ResponderExcluir
  9. Agradeço a todos. Desejo uma ótima semana a todos também.

    ResponderExcluir