Mas porque Almas Castelos? Eu conheci algumas. São pessoas cujas almas se parecem com um castelo. São fortes e combativas, contendo no seu interior inúmeras salas, cada qual com sua particularidade e sua maravilha. Conversar, ouvir uma história... é como passear pelas salas de sua alma, de seu castelo. Cada sala uma história, cada conversa uma sala. São pessoas de fé flamejante que, por sua palavra, levam ao próximo: fé, esperança e caridade. São verdadeiras fortalezas como os muros de um Castelo contra a crise moral e as tendências desordenadas do mundo moderno. Quando encontramos essas pessoas, percebemos que conhecer sua alma, seu interior, é o mesmo que visitar um castelo com suas inúmeras salas. São pessoas que voam para a região mais alta do pensamento e se elevam como uma águia, admirando os horizontes e o sol... Vivem na grandeza das montanhas rochosas onde os ventos são para os heróis... Eu conheci algumas dessas águias do pensamento. Foram meus professores e mestres, meus avós e sobretudo meus Pais que enriqueceram minha juventude e me deram a devida formação Católica Apostolica Romana através das mais belas histórias.

A arte de contar histórias está sumindo, infelizmente.

O contador de histórias sempre ocupou um lugar muito importante em outras épocas.

As famílias não têm mais a união de outrora, as conversas entre amigos se tornaram banais. Contar histórias: Une as famílias, anima uma conversa, torna a aula agradável, reata as conversas entre pais e filhos, dá sabedoria aos adultos, torna um jantar interessante, aguça a inteligência, ilustra conferências... Pense nisso.

Há sempre uma história para qualquer ocasião.

“Ide por todo o mundo e pregai o Evangelho a toda criatura” (Mc. 16:15)

Nosso Senhor Jesus Cristo ensinava por parábolas. Peço a Nossa Senhora que recompense ao cêntuplo, todas as pessoas que visitarem este Blog e de alguma forma me ajudarem a divulga-lo. Convido você a ser um seguidor. Autorizo a copiar todas as matérias publicadas neste blog, mas peço a gentileza de mencionarem a fonte de onde originalmente foi extraída. Além de contos, estórias, histórias e poesias, o blog poderá trazer notícias e outras matérias para debates.
Agradeço todos os Sêlos, Prêmios e Reconhecimentos que o Blog Almas Castelos recebeu. Todos eles dou para Nossa Senhora, sem a qual o Almas Castelos não existiria. Por uma questão de estética os mesmos foram colocados na barra lateral direita do Blog. Obrigado. Que a Santa Mãe de Deus abençoe a todos.

quarta-feira, 17 de abril de 2019

Mais um aniversário do Blog, um pedido de perdão

Já se passaram tantos anos. Lembro-me com alegria das primeiras postagens, dos primeiros amigos que me apoiaram, dos católicos que reuni aqui. De tudo isso, agradeço ao Bom Jesus e sua Santíssima Mãe. Agradeço a todos que me ajudaram com as visitas ao meu Blog e espero ter contribuído para ajudar, converter ou ao menos entreter quem passou por aqui.

Mas hoje, completando 9 anos de existência, lembro também com tristeza, quanto sofri também, e como desse sofrimento terrível surgiu o Blog Almas Castelos. Só Deus o sabe. Mas do sofrimento e da penitência brotam bons frutos.

Então, o que pedir depois desses 9 anos de existência? Devo pedir perdão por todas as pessoas que me perseguiram e me maltrataram. Devo pedir perdão por todas as pessoas que me fizeram sofrer. Devo pedir perdão por todos aqueles que eu quis ajudar, mas me atiraram as pedras do desprezo e da incompreensão. Devo pedir perdão por todos os que me criticaram e me xingaram por eu estar contando histórias de Deus. Essas pessoas existem, por incrível que possa parecer.  Devo pedir perdão por todas essas pessoas e especialmente por mim e pelos meus pecados, para que Deus me perdoe e me faça ser cada vez mais fiel no cumprimento de minha obrigação de contar histórias e fazer apostolado. Perdão, meu Deus. Rogai por todos nós Santa Mãe de Deus.

Coincidentemente, foi pensando em todas essas coisas que, inesperadamente, uma mensagem chega através do meu e-mail sobre “perdão”. Coincidência? É uma história. Gostei tanto que não resisti em postar nesta ocasião. O autor da história é desconhecido, mas a fonte da História é do ótimo Blog Aletéia. Passo a narra-la.

O PERDÃO DO SENHOR JESUS CRISTO

Na igreja do povoado espanhol de Furelos é venerado um Crucifixo que tem o braço direito desprendido da cruz e abaixado.

Conta-se que, aos pés de um grande crucifixo junto ao confessionário dessa Igreja, um pecador confessou certa vez os seus pecados e o padre hesitou em absolvê-lo, porque o pobre homem recaía sempre nas mesmas faltas. O sacerdote lhe administrou o perdão de Cristo, mas repetiu:

— Procura não mais recair.

O penitente prometeu. Mas era fraco – e recaiu. Tornou então ao sacerdote, que o acolheu desta vez com severidade:

— Desta vez não te absolvo!

O penitente replicou:

— Quando eu prometi, fui sincero. Mas também sou fraco. Padre, dê-me a absolvição!

E novamente o confessor o perdoou, mas reforçou com ênfase:

— É a última vez!

Algum tempo depois, o penitente voltou. O sacerdote foi áspero:

— Você recai sempre! O seu propósito não é sincero.

O penitente respondeu:

— É verdade, padre, que eu recaio sempre, porque sou fraco, porque sou doente. Mas o meu arrependimento é sincero!

O padre, porém, não recuou:

— Não. Não há perdão para você.

Do Crucifixo, no entanto, sentiu-se um pranto. O Cristo Crucificado desprendeu a mão direita da cruz e, levantando-a, traçou sobre a cabeça daquele pecador o sinal da absolvição. Ao mesmo tempo uma voz dirigida ao sacerdote foi ouvida:

— Tu não derramaste o teu sangue por ele!

COMENTÁRIO: Realmente é necessário o arrependimento sincero e a promessa de não mais cometer o pecado para que a confissão seja válida. Justiça e Misericórdia, são o equilíbrio. Quando o arrependimento é sincero Deus, que conhece nossos corações, nos dará graças especiais para não mais pecar. As nossas fraquezas nos as combatemos com as orações. Se não rezarmos, como poderemos querer melhorar? A oração é o remédio mais seguro para o fortalecimento da nossa alma.

Havendo arrependimento sincero e a promessa de não pecar mais, o padre pode dar-nos a absolvição de nossos pecados.

"Então, Pedro, aproximando-se, lhe perguntou: Senhor, até quantas vezes meu irmão pecará contra mim, que eu lhe perdoe? Até sete vezes? Respondeu-lhe Jesus: Não te digo que até sete vezes, mas até setenta vezes sete” (Mateus 18. 21,22).

Fonte: https://pt.aleteia.org/2017/11/01/quando-o-braco-de-cristo-se-soltou-de-um-crucifixo-para-absolver-um-pecador/

Um comentário: