Mas porque Almas Castelos? Eu conheci algumas. São pessoas cujas almas se parecem com um castelo. São fortes e combativas, contendo no seu interior inúmeras salas, cada qual com sua particularidade e sua maravilha. Conversar, ouvir uma história... é como passear pelas salas de sua alma, de seu castelo. Cada sala uma história, cada conversa uma sala. São pessoas de fé flamejante que, por sua palavra, levam ao próximo: fé, esperança e caridade. São verdadeiras fortalezas como os muros de um Castelo contra a crise moral e as tendências desordenadas do mundo moderno. Quando encontramos essas pessoas, percebemos que conhecer sua alma, seu interior, é o mesmo que visitar um castelo com suas inúmeras salas. São pessoas que voam para a região mais alta do pensamento e se elevam como uma águia, admirando os horizontes e o sol... Vivem na grandeza das montanhas rochosas onde os ventos são para os heróis... Eu conheci algumas dessas águias do pensamento. Foram meus professores e mestres, meus avós e sobretudo meus Pais que enriqueceram minha juventude e me deram a devida formação Católica Apostolica Romana através das mais belas histórias.

A arte de contar histórias está sumindo, infelizmente.

O contador de histórias sempre ocupou um lugar muito importante em outras épocas.

As famílias não têm mais a união de outrora, as conversas entre amigos se tornaram banais. Contar histórias: Une as famílias, anima uma conversa, torna a aula agradável, reata as conversas entre pais e filhos, dá sabedoria aos adultos, torna um jantar interessante, aguça a inteligência, ilustra conferências... Pense nisso.

Há sempre uma história para qualquer ocasião.

“Ide por todo o mundo e pregai o Evangelho a toda criatura” (Mc. 16:15)

Nosso Senhor Jesus Cristo ensinava por parábolas. Peço a Nossa Senhora que recompense ao cêntuplo, todas as pessoas que visitarem este Blog e de alguma forma me ajudarem a divulga-lo. Convido você a ser um seguidor. Autorizo a copiar todas as matérias publicadas neste blog, mas peço a gentileza de mencionarem a fonte de onde originalmente foi extraída. Além de contos, estórias, histórias e poesias, o blog poderá trazer notícias e outras matérias para debates.
Agradeço todos os Sêlos, Prêmios e Reconhecimentos que o Blog Almas Castelos recebeu. Todos eles dou para Nossa Senhora, sem a qual o Almas Castelos não existiria. Por uma questão de estética os mesmos foram colocados na barra lateral direita do Blog. Obrigado. Que a Santa Mãe de Deus abençoe a todos.

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

A formiguinha e a águia



Esta é uma estória para crianças. Transcrevo aqui como recordação das coisas que meu Pai me contava quando eu era pequeno. Meu pai faleceu sem dizer quem foi o autor da estória. Mas pela beleza e inocencia, acredito que possam ter algum proveito. O papel das estórias na formação das crianças é um fator fundamental. Despertar o senso de maravilhoso é ajudar a manter a inocencia e incentivar o gosto pela beleza.


PARTE I – A FORMIGA

Foi num dia muito especial, desses em que o sol desfila com sua majestade e brilho, que em certo formigueiro, nasceu uma formiguinha. Logo ao nascer, observava tudo. Um movimento de formigas que vem e que vão... Viu uma abertura com um clarão. Foi em busca dessa abertura e ao sair do formigueiro, ela ficou completamente paralisada: Quanta beleza! Quanta maravilha! Ela ficou encantada com o brilho do sol, com as flores coloridas e perfumadas, com tudo que estava em sua volta. Ela estava tão entusiasmada com tanta beleza na natureza e com as coisas grandiosas que Deus fez, que teve a certeza de que não nascera para morar naquele formigueiro no meio da terra, num buraco escuro no chão...

Sentiu logo de cara que tinha nascido para uma grande vocação. Viver em buracos no chão, escuro, em galerias subterrâneas... não era para ela.

Não, realmente aquela formiguinha não tinha nascido para o comum. Ela tinha algo de especial. Um brado de grandeza clamava para uma coisa maior. A formiguinha ouvia para além do horizonte um eco de sublimidade que a chamava. Grandeza e Glória: eram essas as palavras que moviam sua vocação. Foi assim que ela deixou o formigueiro e a vida comum das formigas e partiu.

Em sua caminhada se deparou com uma grande floresta. Parou e pensou se não seria arriscado demais entrar naquela floresta assustadora. Pensou até em voltar ao formigueiro. Mas uma voz mais forte a chamava para além daquilo: Grandeza e Glória. Ela tinha que seguir. Se tivesse coragem de adentrar aquela densa floresta, certamente teria a Grandeza e a Glória. E assim fez.

(Porém, na verdade, aquilo não era nenhuma floresta, mas simplesmente um gramado. Mas para a formiguinha que era pequenina tudo aquilo era uma imensa floresta.)

Continuou heroicamente a caminhas pela densa grama, mas não achava nem a Grandeza e nem a Glória. De repente a formiguinha encontrou uma enorme pedra de ouro, tão grande e dourada que ela pensou: achei a Grandeza e a Glória. Com esse ouro terei Grandeza e muita Glória.

(Contudo não era nenhuma pedra de ouro. Era tão somente um grão de milho que estava no caminho. Mas para a formiguinha aquilo era uma pedra de ouro.)

Porém tão grande, tão pesada, que a formiguinha não conseguia nem sequer levantar do chão. Então, muito triste, resolveu deixa-la para traz, pois não conseguia carrega-la mesmo.

Avante! Vamos para frente! Depois de algum tempo de caminhada a formiguinha se deparou com um rio enorme... Ora essa! Que rio maravilhoso – pensou. Se eu conseguir atravessa-lo certamente falarão que comigo está a Grandeza e a Glória. Mas como atravessar esse rio?

(Na verdade era um pequeno filete de água que escorria pelo caminho, mas para a formiguinha aquilo, sem duvida era um grande rio).

Percorrendo a margem do "rio", rezava para que Nossa Senhora lhe desse coragem. Só pensava em encontrar a Grandeza e a Glória. De repente um vento sacode as plantas e uma das folhas se curva e faz uma pequena ponte. A formiga se alegrou, atravessou correndo pela ponte e logo do outro lado se ajoelhou para agradecer milagre tão estupendo. Mas logo que se levantou, caiu em si: “Que mérito tive eu em atravessar o rio?” Então partiu novamente, sempre na linha do horizonte em busca da Grandeza e da Glória.

O cansaço vinha chegando. Andava, andava... sem parar, sem qualquer descanso. De repente mais uma surpresa: e dessa vez surpresa com requinte, pois viu uma coisa brilhante na ponta de uma flor. Seria um cristal? Correu ao encontro do cristal e viu um objeto mais brilhante ainda no chão. Agora sim, um cristal e um belíssimo diamante.

(Na verdade aquele diamante, não passava de um cristal de açúcar, mas para a formiguinha aquilo era um diamante, e o cristal, nada mais do que uma gota de orvalho)

Dessa vez não mediu esforços. Subiu na flor para apanhar o cristal, mas ao chegar perto o cristal rolou e sumiu na terra. Qual não foi a tristeza da formiga. Mas ainda havia o diamante. Pôs o diamante nas costas e levou consigo para a sua Grandeza e Glória.

Já caminhava há muito tempo. O cansaço dominava-lhe todo o corpo. Não sabia ao certo para onde estava indo. Pensou até em desistir da caminhada e voltar ao formigueiro. Mas sabia que algo lhe chamava para a sublimidade ainda maior. Pensava: "Se Deus colocou no meu caminho tantas maravilhas como ouro e diamante, que coisas estarão me aguardando no final deste caminho ? Não, não posso desistir agora. Sinto que a grandeza para o qual fui chamado é muito maior do que tudo isso, vale a pena qualquer sacrifício." E assim, como chegava a noite, resolveu dormir para prosseguir a viagem no dia seguinte.

A formiguinha admirava a noite, as estrelas e o brilho misterioso da lua, e cada vez mais sentia forças para prosseguir sua caminhada.

Ao amanhecer teve uma agradável surpresa. Foi acordada pelo canto de uma cigarra. Depois de procurar ardente cantor, se aproximou. Mas a formiguinha pensava se tratar de um anjo, pois nunca tinha ouvido tal cantoria. Além do mais tal cantor tinha asas, certamente era um anjo enviado para lhe mostrar a Grandeza e a Glória. Depois de admirar o canto diferente, elogiou-o e disse que não poderia ir embora sem presentear aquele anjo com um maravilhoso diamante. Que com esse presente queria que o anjo lhe indicasse onde estão a Grandeza e a Gloria.

A cigarra muito agradecida tratou logo de saborear aquele "cristal", aquele grãozinho de açúcar tão saboroso. Estranhando o que a formiga lhe pedia, mesmo assim indicou: “Vá adiante, que a Grandeza e a Glória lhe esperam”

Assim a formiguinha prosseguiu a caminhada alegremente. Agora com a certeza das palavras do Anjo.

Depois de muito caminhar, parou espantada:

- Por isso que a terra é tão iluminada desse jeito. Com tantos sóis iluminando-a... E que interessante, como esses sóis são perfumados...

(Mas não eram sóis, eram laranjas madurinhas penduradas em uma laranjeira, mas para a formiguinha aquilo eram sóis.)

Atrás da “árvore dos sóis”, havia algo que a formiguinha jamais tinha visto. Aquilo lhe dava uma sensação de Grandeza e de Glória jamais encontrada. Ao mesmo tempo uma tranqüilidade de espírito tão grande...

Ela sabia. Tinha chegado. Ali estavam a Grandeza e a Glória...


PARTE II – A ÁGUIA


Enquanto isso, do outro lado da floresta, havia uma montanha alta e escarpada. A vida de quem ali mora é grandiosa, cheia de epopéia, de glória, de horizontes grandiosos, de maravilhas especiais. Ali, do alto da montanha, se enfrentam ventos bravios, tempestades, raios e trovões...

Ali está a águia, entre as rochas sólidas, no topo da montanha, fitando o horizonte e cuidando do seu ninho. Toda a manhã sai de seu ninho para fazer seu vôo majestoso.

No ninho, dois filhotes da águia. Abrindo os olhos eles admiravam o horizonte. Para certas criaturas a grandeza faz parte de sua vida. Ao começar a voar, um dos filhotes subiu muito alto e fitando o sol bradou: “oh sol! oh horizonte! Não haverá Grandeza e Glória maiores que vós?”

E assim o filhote de águia sentiu no peito um chamado do céu. Tua vocação é a grandeza e a glória.

Assim, tomou uma decisão: não voltaria mais à montanha escarpada, pois a Grandeza e a Glória a esperavam.

Depois de muito voar, achou um castelo. Um castelo com muralhas grossas e torres majestosas. Pensou: o castelo é voltado para as grandes guerras, haverá muitos heróis e muita Grandeza. Devo ficar aqui. Procurou a melhor torre e ali fez sua morada.
De lá observava tudo. Pensava que ali teria encontrado a verdadeira Grandeza e a verdadeira Glória. No entanto começou perceber que muitas guerras se davam por vaidades, torneios sem fundamento por mero orgulho... buscavam não a verdadeira glória, mas a vã glória.

A águia viu então que não era naquele castelo com torres fortíssimas que morava a verdadeira Grandeza, a verdadeira Glória.

Levantou vôo e foi para a imensidão azul do céu, nas alturas da epopéia para encontrar a verdadeira Grandeza, a verdadeira Glória.

Voou muito, percorreu muitos campos e serras e avistou ao longe, um palácio. Foi se aproximando e voando em círculos. Observou a delicadeza e a elegância das torres e de toda a construção. Aquilo tudo era tão maravilhoso que a águia chegou a pensar: Aqui realmente estão a Grandeza e a Glória.
Procurou uma das mais belas torres, e ali fez sua morada.

No entanto o palácio era sacudido constantemente por revoltas, traições, jogos de interesses políticos, bajulações e compra de prestígios, golpes de estado...

Que decepção! A águia viu que não estava naquele majestoso palácio a verdadeira Grandeza, a verdadeira Glória.

Mais uma vez, levantou vôo e foi para a imensidão azul do céu. Dessa vez voou muito alto, e por muito tempo, com velocidade que só os que anseiam por grandeza tem a coragem de se enveredarem.

E tendo observado muitos lugares pelos quais passou, em nenhum deles encontrou a verdadeira Grandeza, a verdadeira Glória.

Por fim depois de voar dias e mais dias, avistou um lugar de muita Grandeza. Mas desconfiada, voou ao redor por várias vezes. Mas algo ali acontecera. Um som metálico saído de uma das torres convidava a águia a ali pousar. Logo em seguida um coro de vozes serenas entoavam uma bela canção que se elevava até o céu. Ali havia verdadeira Grandeza e verdadeira Glória.

Nessa torre a águia fez sua morada e sentiu em sua alma e em seu coração a Grandeza e Glória que jamais havia sentido em toda a sua vida.
No entanto ela não estava só: logo abaixo havia uma pequena formiguinha cavando um buraquinho para fazer sua morada também.
Era a torre de uma belíssima igreja de onde se ouvia o som metálico dos sinos e o canto suave do gregoriano dos monges de Nossa Senhora.

Ali se trava a maior de todas as guerras: a luta contra si mesmo, uma vida de orações e sacrifícios. Ali Nossa Senhora vence, e o demônio é derrotado.
Ali se tem a maior de todas as Grandezas e a maior de todas as Glórias, pois no sacrário está verdadeiramente Nosso Senhor Jesus Cristo, Rei do Universo.

14 comentários:

  1. Que belíssima estória, Jorge. Seu pai deve ter sido um ótimo pai. Uma estória para crianças e para adultos também. A maior grandeza e a maior glória estão em Jesus Cristo, o Rei do Universo mesmo!! Parabéns!! Um abraço fraterno, boa tarde :)

    ResponderExcluir
  2. Nossa, fiquei até emocionada com essa estória!
    Deus é perfeito meu irmão. Linda mensagem!

    Sou uma mulher muito abençoada mesmo. Eu estava passando por um momento de solidão tão grande, quando resolvi fazer um blog. Partindo disso, conheci pessoas maravilhosas que me fizeram superar, mesmo sem saber o que estava acontecendo comigo. O caminho foi Maria Luiza, que me achou na relação de um dos blogs.
    Daí o Senhor me levou pra lá, onde encontrei carinho, alento, palavras de amor, afeto e muito mais.
    Ela foi presenteada por você com o selo, mas o Senhor só queria me trazer pra cá, pra esse espaço tão abençoado pra beber da fonte.

    Obrigada pelo seu comentário no meu blog, fiquei feliz demais por você ter gostado e está me seguindo. Eu também coloquei o seu link da minha relação de Links de reflexão, lugares onde vou pra orar e o Senhor tem me falado muito através dessa canal de graça.

    Fica na paz de Cristo, e saiba que virei muitas vezes.

    ResponderExcluir
  3. Obrigado Suziley, meu pai foi um homem muito piedoso. Agradeço seu comentário.

    ResponderExcluir
  4. Lucinha, bom dia. Mais uma vez agradeço sua visita e comentário. Que bom que voce gostou da estória. A Maria Luiza é uma excelente pessoa. Agradeço sua amizade. Seja sempre bem vinda.

    ResponderExcluir
  5. Vou ler para a minha filha, adoreia fábula, muito belo, obrigada por esse momento.

    ResponderExcluir
  6. AH, Jorge! Que pena estar aposentada. Fui contadora de histórias para meus alunos e faria até um teatro com essa, como fazia e olhe com trilha sonora de deixar Spilberg babando...rsrsrs. Sua história é espetacular e vc escreve muito bem. Tenho certeza de que meu pai contaria muita hitórias prá mim, mas nem o conheci! Fiquei órfã quando tinha apenas 8 meses de vida. Leia lá no Alquimia "Homenagem ao pai... Amei as fotos tbém! Sem contar com os comentários da Lucinha e seu. Ganhei um sábado feliz! Ah! Aprendi os gadgets. Posso pegar o Sagrado coração de Jesus e de Maria? Este seu é o mais lindo que já vi. Deixa? Abração!

    ResponderExcluir
  7. Obrigado Cris França. Sua visita sempre nos honra.

    ResponderExcluir
  8. Alfa e Ômega, bom dia. Esses tipos de estórias são bons para uma peça teatral, teria que adaptar alguma coisa. O Pe. José de Anchieta ensinava fazendo pequenos teatros. Que pena teu pai ter falecido tão cedo. Vou ler sua "Homenagem ao pai". Quanto às fotos ou algum texto que interessar, pode copiar à vontade.

    ResponderExcluir
  9. Olá Jorge...

    Seu blog foi presenteado com o selo Sunshine Awards pelo blog Candelabro de Ouro. Caso ache conveniente, poste sobre. Para saber mais sobre, acesse candelabrodeouro.blogspot.com .

    Salve Maria!

    ResponderExcluir
  10. Um Santo Advento na Paz de Jesus , Maria e José...

    Que nos reencontremos na Gruta de Belém!

    ResponderExcluir
  11. Sinais no Mundo, agradeço sua visita e comentário. Nos reencontremos na Gruta de Belém.

    ResponderExcluir
  12. Boa noite, Lyn. Agradeço sua indicação para o Selo Sunshine Award. Agradeço tão belo presente. Ao mesmo tempo aproveito para deixar aqui registrado que o seu Blog candelabrodeouro.blogspot.com é muito Bom e recomendo a leitura a todos. Estou seguindo seu blog e adicionando o seu link na lista dos blogs que eu recomendo. Obrigado por tudo.

    ResponderExcluir
  13. Depois de ter lido esta estória, não tenho a menor dúvida de que voce é uma pessoa especial. Sua alma é realmente um grande castelo. Estou lhe presentiando com o "Prêmio - Reconhecimento de Blog Católico".

    ResponderExcluir
  14. História maravilhosa! Eliselma

    ResponderExcluir