Mas porque Almas Castelos? Eu conheci algumas. São pessoas cujas almas se parecem com um castelo. São fortes e combativas, contendo no seu interior inúmeras salas, cada qual com sua particularidade e sua maravilha. Conversar, ouvir uma história... é como passear pelas salas de sua alma, de seu castelo. Cada sala uma história, cada conversa uma sala. São pessoas de fé flamejante que, por sua palavra, levam ao próximo: fé, esperança e caridade. São verdadeiras fortalezas como os muros de um Castelo contra a crise moral e as tendências desordenadas do mundo moderno. Quando encontramos essas pessoas, percebemos que conhecer sua alma, seu interior, é o mesmo que visitar um castelo com suas inúmeras salas. São pessoas que voam para a região mais alta do pensamento e se elevam como uma águia, admirando os horizontes e o sol... Vivem na grandeza das montanhas rochosas onde os ventos são para os heróis... Eu conheci algumas dessas águias do pensamento. Foram meus professores e mestres, meus avós e sobretudo meus Pais que enriqueceram minha juventude e me deram a devida formação Católica Apostolica Romana através das mais belas histórias.

A arte de contar histórias está sumindo, infelizmente.

O contador de histórias sempre ocupou um lugar muito importante em outras épocas.

As famílias não têm mais a união de outrora, as conversas entre amigos se tornaram banais. Contar histórias: Une as famílias, anima uma conversa, torna a aula agradável, reata as conversas entre pais e filhos, dá sabedoria aos adultos, torna um jantar interessante, aguça a inteligência, ilustra conferências... Pense nisso.

Há sempre uma história para qualquer ocasião.

“Ide por todo o mundo e pregai o Evangelho a toda criatura” (Mc. 16:15)

Nosso Senhor Jesus Cristo ensinava por parábolas. Peço a Nossa Senhora que recompense ao cêntuplo, todas as pessoas que visitarem este Blog e de alguma forma me ajudarem a divulga-lo. Convido você a ser um seguidor. Autorizo a copiar todas as matérias publicadas neste blog, mas peço a gentileza de mencionarem a fonte de onde originalmente foi extraída. Além de contos, estórias, histórias e poesias, o blog poderá trazer notícias e outras matérias para debates.
Agradeço todos os Sêlos, Prêmios e Reconhecimentos que o Blog Almas Castelos recebeu. Todos eles dou para Nossa Senhora, sem a qual o Almas Castelos não existiria. Por uma questão de estética os mesmos foram colocados na barra lateral direita do Blog. Obrigado. Que a Santa Mãe de Deus abençoe a todos.

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Boa vontade


Tendo um homem adquirido uma fazenda, encontrou-se, dias depois, com um de seus vizinhos.

- O senhor comprou esta propriedade? - perguntou-lhe o vizinho em tom quase agressivo.

- Comprei-a, sim, meu amigo!

- Pois sinto dizer-lhe que vai ter sérios aborrecimentos. Com as terras, comprou, também, uma questão nos tribunais.

- Como assim? Não compreendo!

- Vou explicar. Existe uma cerca, construída pelo proprietário anterior, fora da linha divisória. Não concordo com a posição dessa cerca. Desejo defender os meus direitos e vou demandar.

- Peço-lhe que não faça semelhante coisa - retorquiu o proprietário. - Acredito na sua palavra. Se a cerca não está no lugar devido iremos e consertaremos tudo de perfeito acordo.

- O senhor está falando sério?

- É claro que estou!

- Pois se é assim - respondeu o reclamante - a cerca ficará como está. O senhor é um homem honrado e digno. Faço mais questão de sua amizade do que de todos os alqueires de terra.

E os dois vizinhos tornaram-se amigos inseparáveis, e essa amizade foi de grande utilidade para ambos.

Recebamos, sempre, com simpatia e boa-vontade aqueles que se aproximam de nós. A simpatia e a boa-vontade repousam na mansidão.
A mansidão é uma das virtudes mais importantes da alma verdadeiramente cristã.

Os principais atos dessa virtude são:

1.° não permitir que se apodere de nossa alma outra ira senão a santa; irar-se contra o pecado, não contra o pecador; moderar a ira justa;

2.° não se enfadar por bagatelas, nem tomar como ofensa o que na realidade não o é;

3.° perdoar, por amor de Deus, as ofensas recebidas; não guardar rancor;

4.° ser afável com todos e não dar a ninguém motivo de irar-se.

Não se deve confundir a mansidão com certa apatia natural, nem com a interessada afabilidade dos mundanos, nem com a indiferença afetada dos estóicos, nem com o gênio tímido dos
apoucados; porque estas qualidades, ainda que possam ter a aparência da mansidão, na realidade estão muito longe de o ser por faltar o motivo virtuoso e sobrenatural.
A ira nem sempre é má. É má quando falta o motivo justo ou quando passa do justo modo e medida.
Há também uma ira justa como foi a de Jesus quando expulsou do templo os vendilhões. "Irai-vos, porém não pequeis".

Pecam por ira os impetuosos que se enfadam por motivos insignificantes, os iracundos que se enfurecem demasiadamente, os rancorosos que guardam por muito tempo a lembrança das injúrias sofridas, os vingativos que não descansam até se terem desforrado.

(“Lendas do Céu e da Terra” – Malba Tahan)

4 comentários:

  1. A paz!

    Tenho lido seus comentários no Blog da Maria Luiza Alfa&Omega, e hoje ela postou um selinho que você a presenteou. Muito lindo o seu gesto, ela realmente merece.

    Gostei muito das suas postagens, sou católica e amo a nossa Igreja. Parabéns!

    A paz de Cristo!

    ResponderExcluir
  2. Belíssima estória, Jorge. Precisamos praticar a verdadeira mansidão!! Um bom dia, abraço fraterno :)

    ResponderExcluir
  3. Muito bonito! Amei! Rico ensinamento vindo de Malba Tahan. Parabéns! Difícil lidar com ela! Eu acho! Abração!

    ResponderExcluir
  4. Difícil lidar com esses sentimentos mas chegarei lá...como disse Richard Bach: " A mais elevada forma de arte é o ser humano em pleno controle de si mesmo." Viu? Ele também não tinha assim um controle pleno. Obrigada pelo comentário na postagem do selinho, mas vc é o autor e merece todo mérito. Abração!

    ResponderExcluir