Mas porque Almas Castelos? Eu conheci algumas. São pessoas cujas almas se parecem com um castelo. São fortes e combativas, contendo no seu interior inúmeras salas, cada qual com sua particularidade e sua maravilha. Conversar, ouvir uma história... é como passear pelas salas de sua alma, de seu castelo. Cada sala uma história, cada conversa uma sala. São pessoas de fé flamejante que, por sua palavra, levam ao próximo: fé, esperança e caridade. São verdadeiras fortalezas como os muros de um Castelo contra a crise moral e as tendências desordenadas do mundo moderno. Quando encontramos essas pessoas, percebemos que conhecer sua alma, seu interior, é o mesmo que visitar um castelo com suas inúmeras salas. São pessoas que voam para a região mais alta do pensamento e se elevam como uma águia, admirando os horizontes e o sol... Vivem na grandeza das montanhas rochosas onde os ventos são para os heróis... Eu conheci algumas dessas águias do pensamento. Foram meus professores e mestres, meus avós e sobretudo meus Pais que enriqueceram minha juventude e me deram a devida formação Católica Apostolica Romana através das mais belas histórias.

A arte de contar histórias está sumindo, infelizmente.

O contador de histórias sempre ocupou um lugar muito importante em outras épocas.

As famílias não têm mais a união de outrora, as conversas entre amigos se tornaram banais. Contar histórias: Une as famílias, anima uma conversa, torna a aula agradável, reata as conversas entre pais e filhos, dá sabedoria aos adultos, torna um jantar interessante, aguça a inteligência, ilustra conferências... Pense nisso.

Há sempre uma história para qualquer ocasião.

“Ide por todo o mundo e pregai o Evangelho a toda criatura” (Mc. 16:15)

Nosso Senhor Jesus Cristo ensinava por parábolas. Peço a Nossa Senhora que recompense ao cêntuplo, todas as pessoas que visitarem este Blog e de alguma forma me ajudarem a divulga-lo. Convido você a ser um seguidor. Autorizo a copiar todas as matérias publicadas neste blog, mas peço a gentileza de mencionarem a fonte de onde originalmente foi extraída. Além de contos, estórias, histórias e poesias, o blog poderá trazer notícias e outras matérias para debates.
Agradeço todos os Sêlos, Prêmios e Reconhecimentos que o Blog Almas Castelos recebeu. Todos eles dou para Nossa Senhora, sem a qual o Almas Castelos não existiria. Por uma questão de estética os mesmos foram colocados na barra lateral direita do Blog. Obrigado. Que a Santa Mãe de Deus abençoe a todos.

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

A montanha de cristal


Meus amigos e amigas, eu ia editar esta estória para não ficar tão longa, mas a sua beleza é tal que resolvi publica-la por inteiro, pedindo desculpas e paciencia para a leitura.

De todos os lugares banhados pela luz do dia, nunca houvera algum que fosse mais belo que aquelas montanhas. O sol, batendo em suas bases, fazia brilhar o negror dos rochedos que se elevam, abruptos e altaneiros do meio dos campos, até que, no alto, bem lá no alto, a dureza e o negror das pedras era substituída pela maciez e pela alvura da neve. Lá em cima a luz parecia ainda mais pura, dando à montanha tons de ouro ao entardecer.

E havia algo ainda mais belo: no meio das montanhas mais altas, e mais alto que todas elas, erguia-se um píncaro tão agudo e tão magnífico que dir-se-ia que as neves eternas eram boas apenas para sua base. Era uma montanha legendária e inacessível, toda ela feita de um único e imenso bloco do mais puro cristal. Seria preciso vê-la para se acreditar em semelhante maravilha. Aliás, sua beleza era tão estonteante que, se algum homem chegasse a vê-la, não acreditaria em seus olhos, e ao descer daquelas alturas não contaria nada a ninguém, com receio de ser tomado por um visionário. Mas a verdade é que esse homem, que certamente seria tido por um insensato, ainda teria visto muito pouco. Por que essas belezas não eram nada se fossem comparadas com as que a montanha possuía em seu interior. Com efeito, num ponto altíssimo, o imenso bloco de cristal possuía uma abertura. E quem, por essa abertura, penetrasse, logo se encontraria dentro de uma gruta, comparada com a qual todas as catedrais do mundo pareceriam, ao mesmo tempo, minúsculas e sombrias. Que edifício construído por mãos humanas poderia ter sequer um décimo do tamanho daquela gruta? E que vitral, que conjunto de luzes, que pedras preciosas poderiam se comparar com a girândola de cores que o sol filtrava por aquelas paredes? Não, homem algum conseguiria descrever aquilo. Homem algum seria capaz de subir até aquele lugar. Lá apenas chegavam as águias. Porque haviam as águias. Águias. enormes e majestosas, de plumas brancas e cabeça dourada, os únicos habitantes daquele local. Tão altaneiras, tão elevadas, que nunca baixavam de lá, nem mesmo para buscar alimento: a luz, a magnífica luz do interior da caverna as alimentava. A luz dourava suas penas, a luz dava-lhes força. Elas viviam da luz e somente dela e que tinham avidez.

A base da caverna de cristal era o imenso rochedo da montanha. Dentro desse rochedo havia uma outra caverna, cuja porta ou não existia ou estava eternamente sepultada pela neve. Lá dentro, tudo era asqueroso, úmido e escuro, não de uma escuridão qualquer, mas de negror absoluto. Era horrível. E para aumentar o horror, as paredes da caverna eram todas cobertas por um muco, por uma gosma infecta e malcheirosa. Dir-se-ia que nada poderia viver em semelhante ambiente. Nenhum animal suportaria semelhante horror. A não ser as aranhas. Essas sim havia aranhas, e aos milhões. Aranhas enormes, negras, asquerosas, que formavam um tapete movediço sobre as paredes, o chão e o teto da caverna. Que se alimentavam do muco nojento; que gostavam do mau cheiro, que só se sentiam bem na escuridão, que não conheciam, nem queriam conhecer outra coisa. E esses dois mundos, essas duas cavernas eram separadas apenas por uma laje de rochedos, e viviam sem que tivessem conhecimento um do outro.

O DESASTRE...

Um dia, não se sabe porque motivo, essa laje se rachou. Talvez um ligeiro tremor de terra, talvez a deslocação acidental de alguma rocha, tenha sido a causa. O fato é que, na base da caverna de cristal, e no teto da caverna das aranhas, surgiu uma pequena rachadura imperceptível. As águias habituadas a viver nas alturas nem notaram tal fissura. Mas não sucedeu o mesmo com as aranhas. Com a rachadura, entrou na caverna fímbria, um raio de luz, essa luz que elas odiavam acima de tudo, que acima de tudo as fazia fugir. Apavoradas, enfurecidas, elas se amontoaram no canto mais escuro de sua caverna, até que aquele fio de luz foi enfraquecendo, foi se diluindo, foi se esmaecendo, aos poucos, até finalmente se extinguir. A noite havia chegado. Na gruta de cristal, as águias dormiam.

Aos milhões, as aranhas saíram da rachadura, e penetraram no interior da gruta. Movidas pelo ódio, elas arrastaram uma enorme pedra, bloqueando a entrada da gruta. Depois, subiram em todas as paredes, e as cobriram com suas teias e com sua baba asquerosa e negra. Elas podiam simplesmente ter fechado a rachadura, porém seu ódio não era apenas da luz, mas também de todos os seres que gostavam da luz.

Elas odiavam tudo o que é belo, e o Ódio dava-lhes força no trabalho. Durante toda a noite espalhavam o negrume, a sujeira, o horror. Lá fora, chegou o alvorecer. O sol foi verdejando os campos e branquejando a neve. Tudo brilhava, tudo sorria. Mas no interior da gruta de cristal, os raios do sol não conseguiam mais entrar. O interior da gruta de cristal foi tomada pela escuridão. As águias despertaram. Onde estava o sol?

Onde estava a luz que lhes dava vida e douravam suas penas? Elas não sabiam. Aos poucos compreenderam que a porta da gruta estava fechada, mas não se sentiram com forças, nem com ânimo, para desobstruir. Sem luz, elas mal conseguiam se arrastar pelo chão. Quando chegou o meio-dia, e lá fora o sol dardejava seus raios em todo o seu esplendor, dentro da gruta era uma densa penumbra. Na hora de maior luz, tudo era pardo e confuso. As águias, cabeça baixa e asas arrastando pelo solo, andavam em círculos desanimadas, percebendo que aquela obscuridade tinha apenas o suficiente de luz para permitir que elas sobrevivessem ou vegetassem.

Se elas pudessem enxergar algo, notariam com horror que suas penas, suas lindas penas brancas e douradas, começavam a escurecer. Exteriormente a montanha de cristal continuava a mesma, e, sua glória diante do sol, permanecia inalterada. Mas, que enorme diferença em seu interior! Passou-se o tempo. As aranhas, completamente senhoras da situação, andavam por toda a gruta, espalhando sempre sua baba asquerosa e nauseante. As águias, as altaneiras águias de plumas brancas e cabeça dourada, eram agora uns animais sujos, de penas negras e opacas, que mal tinham forças para se arrastar. Viviam no chão coberto de imundícies, que a fome às vezes as obrigava a comer. Haviam se acostumado com o mau cheiro das aranhas, e o que é pior, haviam se esquecido de como eram antes. Se alguém lhes viesse falar da luz e da beleza de voar, elas não ouviriam. Diriam que tudo isso era sonho, e que a vida consistia naquilo, em ter as penas negras, em se arrastar na lama e em viver na imundície. Aquilo sim era a realidade, e nada mais existia. As águias haviam se esquecido do que eram e do que deveriam ser. As águias viviam como morcegos, esperando apenas a morte, sem se lembrarem da luz. Foi então, quando parecia tudo perdido, foi então que na gruta de cristal surgiu o vaga-lume.

A RESSUREIÇÃO...

Na verdade, ela não surgiu, mas apenas se transformou. Sempre houvera, no tempo da luz, na gruta de cristal um pequeno inseto dourado que fazia música com suas asas, e que, ziguezagueando incansavelmente, enchia a gruta de harmonia. Também ele vivia da luz, e sua música era como que a luz do sol condensada em som. Se algum homem o ouvisse poderia perceber, em suas notas, ora alegria do alvorecer, ora o feérico do meio-dia, ora a solenidade do pôr-do-sol. O pequeno inseto era, na gruta de cristal, o complemento harmônico e sonoro da luz. Quando aconteceu a grande tragédia, também o pequeno inseto foi afetado. Também ele enfraqueceu, e foi aos poucos perdendo a sua cor. Também ele acabou caindo de fraqueza a um canto daquela gruta, antes tão bonita, e agora tão hedionda. Mas, ao contrário das águias, o pequeno inseto não se esqueceu. As vezes, no meio da escuridão, ele sentia forças para bater um pouco as asas, e então, muito baixinho, soavam algumas notas que falavam de cores, de auroras, de belezas, de luz. E o pequeno inseto pensava: "a vida não pode ser só essa escuridão! É impossível que aquela beleza tenha desaparecido! Não há razão para se viver se a luz não existe mais".

E então ele reunia toda a sua força e se punha a.andar, se punha a investigar as paredes da gruta, recordando-se que delas é que vinha a luz. Até que um dia ... Um dia, depois de muito investigar, o pequeno inseto descobriu, embaixo da enorme pedra que tapava a entrada da gruta, um orifício, uma senda minúscula, que as aranhas haviam esquecido de tampar. Metendo-se por ela, arrastando-se esfolando as asas, o pequeno inseto avançou, cavando removendo e empurrando, até num último e supremo esforço, conseguiu atravessar para o outro lado da montanha de cristal. Lá fora era meio-dia, e o sol brilhava em todo o seu esplendor.

O pequeno inseto quase enlouqueceu de alegria. Era verdade! Ele estava certo! o sol existia, e continuava a brilhar! Comovido, ele viu suas asas e seu corpo novamente se dourando, e sentiu que todas as músicas e todas as harmonias estavam de novo dentro dele. Levantou vôo, girou, cantou e depois tomou uma resolução. Reuniu toda a luz que conseguia, acumulando todas as forças do sol, o pequeno inseto voltou para o buraco, e penetrou na gruta escura, ziguezagueando, como um raio de luz, de cor e de som.


As águias, negras e cabisbaixas, ergueram um pouco a cabeça. O que era aquilo? Aquela luz, aquele som, era algo que lhes trazia recordações, que lhes penetrava no intimo do ser... Então havia algo que não era escuridão e mau cheiro? Então o mundo não era somente o horror e o negrume?
E o inseto. voando a toda velocidade e para todos os lados, brilhava com todas as luzes, e tocava
todos os sons. E as águias foram se recordando ... Até que uma delas achou em algum lugar um ânimo para dar um vôo desajeitado, mas que a levou até a parede de cristal, onde suas asas removeram um pouco da sujeira e do lodo que as cobria. Claro, brilhante, sublime, eterno, um raio de sol entrou novamente na gruta, iluminando tudo com seu esplendor. As aranhas corriam espavoridas para todos os lados. As águias, reanimando-se, levantaram vôo e em instantes arrasaram a camada de sujeira que recobria o cristal. A pedra foi removida e jogada para o abismo, juntamente com as aranhas que. não suportando a luz, morreram em pouco tempo. As plumas das águias novamente se douraram. O pequeno vaga-lume cantava.

Estória extraída do site de O Desbravador
http://www.odesbravador.org.br/odesbravador_2006_321_322.pdf

NOTA DO BLOG: É muito simbólica essa estória. A montanha de cristal representa a Civilização Cristã sendo vítima de seus inimigos que sempre agiram na escuridão. Com a escuridão da história, as verdades de sempre foram sendo esquecidas aos poucos. E acabamos por ver esse mundo moderno mergulhado na lama de pecados e no esquecimento das Verdades perenes. Precisamos ser novos vaga-lumes. Mostrar que a Luz não "morreu". Devemos viver uma vida santa: Assim, brilhe vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem vosso Pai que está nos céus. (São Mateus, 5:16).

9 comentários:

  1. Lindaaaaaa! Profundo o comentário do blog e neste momento, peço a Deus que Ele me torne um verdadeiro vaga-lume e que a luz que de mim brilhar, não se apague. Amém! Abração!

    ResponderExcluir
  2. Alfa & Ômega, agradeço seu generoso comentário. É na tranquilidade de espírito que conseguimos observar as maravilhas de Deus como voce descreveu em sua postagem ACALME MEUS PASSOS, SENHOR (http://sentidomaior.blogspot.com)
    Parabéns para voce tambem.

    ResponderExcluir
  3. Bom dia,amigo,gostei demais desta estória,vc tb conhece esta?..."Ninguém, jamais, encontrou a ossada de uma águia real. Estas aves extraordinárias, à medida que percebem que estão envelhecendo, começam a voar cada vez mais alto e, quanto mais próxima estiver a morte, mais alto voam, voam e voam... Até que morrem no cume das montanhas mais altas que possam existir na face da terra."...Peçamos a Deus,que sejamos como a Águia,que voa alto a procura da Luz do Sol,nós devemos seguir a Luz de Cristo,mas também devemos ser como o humilde 'vaga-lume',levando Luz aos corações sem Esperança!Paz e bem!

    ResponderExcluir
  4. Jorge, que você continue sendo um vaga-lume para seus amigos, trazendo a luz de Jesus através do seu blog.

    ResponderExcluir
  5. Gisélia, esse comentário que voce deixou é muito bonito. Que maravilha morrer indo ao alto... É para lá que devemos ir, é para o alto que devemos dirigir nossos corações. "A Salvação veio do Alto" (Sagradas Escrituras).

    ResponderExcluir
  6. Jordana, obrigado pelo comentário. Todos nós devemos ser um vaga-lume para nossos irmãos. Isso é caridade cristã.

    ResponderExcluir
  7. Deus seja Louvado e Glorificado. Jorge, voce está de parabéns. Jamais lí blog tão rico em apostolado. Fiz uma pesquisa em suas postagens mais antigas, e confesso que fiquei totalmente absorvida pelas leituras do início do Blog. Agradeço a Deus por ainda existirem pessoas assim como voce.

    ResponderExcluir
  8. Que glória bendita ser águia para lutar contra as aranhas. O conto nos ensina sobretudo humildade. Pois de um simples vaga-lume veio a esperança e a força.

    ResponderExcluir
  9. Lembro com saudade que essa história voce me contava quando eu era pequeno. Obrigado, meu irmão, por ter-me feito lembrar de época tão saudosa.

    ResponderExcluir