Mas porque Almas Castelos? Eu conheci algumas. São pessoas cujas almas se parecem com um castelo. São fortes e combativas, contendo no seu interior inúmeras salas, cada qual com sua particularidade e sua maravilha. Conversar, ouvir uma história... é como passear pelas salas de sua alma, de seu castelo. Cada sala uma história, cada conversa uma sala. São pessoas de fé flamejante que, por sua palavra, levam ao próximo: fé, esperança e caridade. São verdadeiras fortalezas como os muros de um Castelo contra a crise moral e as tendências desordenadas do mundo moderno. Quando encontramos essas pessoas, percebemos que conhecer sua alma, seu interior, é o mesmo que visitar um castelo com suas inúmeras salas. São pessoas que voam para a região mais alta do pensamento e se elevam como uma águia, admirando os horizontes e o sol... Vivem na grandeza das montanhas rochosas onde os ventos são para os heróis... Eu conheci algumas dessas águias do pensamento. Foram meus professores e mestres, meus avós e sobretudo meus Pais que enriqueceram minha juventude e me deram a devida formação Católica Apostolica Romana através das mais belas histórias.

A arte de contar histórias está sumindo, infelizmente.

O contador de histórias sempre ocupou um lugar muito importante em outras épocas.

As famílias não têm mais a união de outrora, as conversas entre amigos se tornaram banais. Contar histórias: Une as famílias, anima uma conversa, torna a aula agradável, reata as conversas entre pais e filhos, dá sabedoria aos adultos, torna um jantar interessante, aguça a inteligência, ilustra conferências... Pense nisso.

Há sempre uma história para qualquer ocasião.

“Ide por todo o mundo e pregai o Evangelho a toda criatura” (Mc. 16:15)

Nosso Senhor Jesus Cristo ensinava por parábolas. Peço a Nossa Senhora que recompense ao cêntuplo, todas as pessoas que visitarem este Blog e de alguma forma me ajudarem a divulga-lo. Convido você a ser um seguidor. Autorizo a copiar todas as matérias publicadas neste blog, mas peço a gentileza de mencionarem a fonte de onde originalmente foi extraída. Além de contos, estórias, histórias e poesias, o blog poderá trazer notícias e outras matérias para debates.
Agradeço todos os Sêlos, Prêmios e Reconhecimentos que o Blog Almas Castelos recebeu. Todos eles dou para Nossa Senhora, sem a qual o Almas Castelos não existiria. Por uma questão de estética os mesmos foram colocados na barra lateral direita do Blog. Obrigado. Que a Santa Mãe de Deus abençoe a todos.

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Apanhando macacos


Em certas regiões africanas usam os indígenas de um curioso artifício para apanhar macacos.

Amarram solidamente a uma árvore um saco de couro cheio de arroz, comida predileta dos símios. A boca desse saco, muito estreita, é do tamanho justo para só deixar passar a mão do animal; e este, se a fecha, prendendo entre os dedos um punhado de arroz, não pode mais retirá-la...

Sem desconfiar da armadilha, o macaco voraz mete a mão no saco e agarra, com força, um punhado de seu manjar favorito. Ao verificar que a mão está presa, faz caretas e agita-se, uiva, debate-se, retorce o corpo, em movimentos cada vez mais violentos. Mas todos os trejeitos e uivos são inúteis. O indígena aproxima-se, e com seu laço de couro, captura-o...

Como é tolo esse pobre macaco! Bastaria apenas, num gesto tão simples, abrir a mão e largar o arroz para recuperar a liberdade! Mas ele prefere o cativeiro e a morte, a renunciar à presa!

Toma cuidado, meu filho, que o desregrado amor ao dinheiro não te cative do mesmo modo e não te atire à prisão das mais negras paixões!

Não se pode viver sem dinheiro. De uma coisa porém não nos devemos esquecer: é de jamais sermos escravos do dinheiro. O dinheiro é que deve ser nosso servo. É ele mero instrumento, um meio apenas, não se devendo fazer dele um fim.

Assim, se não o deixares reinar como senhor em tua alma, o dinheiro pode ser para ti um bom servo. [...]

O amor desordenado às riquezas é o que se chama avareza. [...]

O avaro não dá esmolas; nega o menor auxílio aos necessitados; priva-se, ele próprio, de tudo. Passa a vida a pão duro. Quando precisa gastar, sente como se lhe arrancassem um naco da alma. É tipo ignóbil; nocivo à família, inútil à sociedade e prejudicial ao país. A economia é coisa inteiramente diversa. Consiste em regular os gastos pelos rendimentos, de sorte que aqueles não excedam a estes. Não é vício. É, antes, virtude preciosa, estímulo do trabalho e mãe da prosperidade.

autor: Malba Tahan

6 comentários:

  1. Olá, salve Maria!

    Gostei muitos dos últimos contos. E que surpresa... do Malba Tahan!

    Achava que ele não escrevia coisas fora da Matemática! rs

    Muito bom!

    ResponderExcluir
  2. Também surpreendi-me, pois tal assunto foge um pouco da maioria que tenho conhecido com vc, é claro. Os que conheci, quando mocinha, estão esquecidos. Jorge, grande abraço, amigo!

    ResponderExcluir
  3. Assim como Malba Tahan surpreendeu com esses contos, a alma humana é uma caixinha de surpresas. Um desembargador do Tribunal de Justiça de SP, após longos anos de serviço, resolveu abandonar tudo para ser padre na Igreja de São Gonçalo no centro de SP. Quem o conheceu lembra com saudade desse padre que veio a falecer à alguns anos atras. Mas quem diria... Um desembargador ganhando um salário muito bom poderia pensar em passar o resto de seus dias viajando e gastando. Porém, esse resolveu abandonar tudo, para ser padre. Mistério da graça de Deus.

    ResponderExcluir
  4. Malba Tahan era padre? :o

    Mais uma surpresa que eu nunca ia imaginar! Eu sabia só que era um nome fictício de um oficial de justiça que gostava de matemática. Nossa!

    ResponderExcluir
  5. Minha amiga Lyn. Boa tarde. Malba Tahan não era um padre. Apenas citei o exemplo de um desembargador de São Paulo que resolveu ser padre. Malta Tahan era um simples professor, mas um hábil contador de estórias. Ficou encantado com o livro 1001 noite (de estórias árabes) e estudando os costumes orientais acabou criando o personagem fictício "Malba Tahan". Não se sabe por que ele escreveu esses contos religiosos que eu transcrevi no meu Blog, talvez impressionado com a religiosidade do povo árabe, pensou um pouco mais nas verdades católicas e quiz ser um "árabe catolico". Tudo o que o árabe faz ele sempre faz louvores a Allah. E talves por isso, sendo católico, o Malba Tahan quiz exaltar Deus também. Já escreví sobre quem foi Malba Tahan. Leia minha postagem: http://almascastelos.blogspot.com/2011/01/ali-iezid-izz-edim-ibn-salim-hank-malba.html
    Obrigado pelos comentários que voce deixou.

    ResponderExcluir
  6. Leia:
    http://almascastelos.blogspot.com/2011/01/ali-iezid-izz-edim-ibn-salim-hank-malba.html

    ResponderExcluir