Mas porque Almas Castelos? Eu conheci algumas. São pessoas cujas almas se parecem com um castelo. São fortes e combativas, contendo no seu interior inúmeras salas, cada qual com sua particularidade e sua maravilha. Conversar, ouvir uma história... é como passear pelas salas de sua alma, de seu castelo. Cada sala uma história, cada conversa uma sala. São pessoas de fé flamejante que, por sua palavra, levam ao próximo: fé, esperança e caridade. São verdadeiras fortalezas como os muros de um Castelo contra a crise moral e as tendências desordenadas do mundo moderno. Quando encontramos essas pessoas, percebemos que conhecer sua alma, seu interior, é o mesmo que visitar um castelo com suas inúmeras salas. São pessoas que voam para a região mais alta do pensamento e se elevam como uma águia, admirando os horizontes e o sol... Vivem na grandeza das montanhas rochosas onde os ventos são para os heróis... Eu conheci algumas dessas águias do pensamento. Foram meus professores e mestres, meus avós e sobretudo meus Pais que enriqueceram minha juventude e me deram a devida formação Católica Apostolica Romana através das mais belas histórias.

A arte de contar histórias está sumindo, infelizmente.

O contador de histórias sempre ocupou um lugar muito importante em outras épocas.

As famílias não têm mais a união de outrora, as conversas entre amigos se tornaram banais. Contar histórias: Une as famílias, anima uma conversa, torna a aula agradável, reata as conversas entre pais e filhos, dá sabedoria aos adultos, torna um jantar interessante, aguça a inteligência, ilustra conferências... Pense nisso.

Há sempre uma história para qualquer ocasião.

“Ide por todo o mundo e pregai o Evangelho a toda criatura” (Mc. 16:15)

Nosso Senhor Jesus Cristo ensinava por parábolas. Peço a Nossa Senhora que recompense ao cêntuplo, todas as pessoas que visitarem este Blog e de alguma forma me ajudarem a divulga-lo. Convido você a ser um seguidor. Autorizo a copiar todas as matérias publicadas neste blog, mas peço a gentileza de mencionarem a fonte de onde originalmente foi extraída. Além de contos, estórias, histórias e poesias, o blog poderá trazer notícias e outras matérias para debates.
Agradeço todos os Sêlos, Prêmios e Reconhecimentos que o Blog Almas Castelos recebeu. Todos eles dou para Nossa Senhora, sem a qual o Almas Castelos não existiria. Por uma questão de estética os mesmos foram colocados na barra lateral direita do Blog. Obrigado. Que a Santa Mãe de Deus abençoe a todos.

domingo, 10 de outubro de 2010

Quem serão esses Apóstolos?


No livrinho maravilhoso Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem, escrito por São Luiz Maria Grignion de Montfort, há uma oração no final, chamada ORAÇÃO ABRASADA. Essa oração profética mostra os homens que virão sustitados por Deus. Quem seriam esses homens? Quem estaria disposto a ser um homem escolhido por Deus para tão importante missão?

Abaixo transcrevo partes da Oração Abrasada, omitindo também as partes em latim:

Lembrai-Vos, Senhor, de vossa Congregação que possuístes em vosso espírito desde toda a eternidade.
Atendei, Senhor, aos desígnios de vossa misericórdia; suscitai os homens de vossa destra.
Ó grande Deus, que das pedras brutas podeis fazer outros tantos filhos de Abraão, dizei uma só palavra como Deus e hão de vir bons operários para a vossa messe e bons missionários para a vossa Igreja.
Vossa divina lei é transgredida; vosso Evangelho, abandonado; torrentes de iniqüidade inundam toda a Terra, e arrastam até os vossos servos; a Terra toda está desolada, a impiedade está sobre o trono, vosso santuário é profanado, e a abominação entrou até no lugar santo.
Senhor Jesus, lembrai-Vos de dar à vossa Mãe uma nova companhia, a fim de por Ela renovar todas as coisas, e terminar por Maria os anos da graça, como por Ela os começastes.
Que Vos peço eu? - Nada em meu favor, tudo para vossa glória.
Que Vos peço eu? - sacerdotes livres de vossa liberdade, desprendidos de tudo, sem pai, sem mãe, sem irmãos, sem irmãs, sem parentes segundo a carne, sem amigos segundo o mundo, sem bens, sem embaraços, sem cuidados, e até sem vontade própria.

escravos de vosso amor e de vossa vontade, homens segundo vosso Coração que, sem vontade própria que os macule e faça parar, executem todas as vossas vontades e lancem por terra todos os vossos inimigos, quais novos Davids, com o cajado da Cruz e a funda do santíssimo Rosário nas mãos.

nuvens elevadas da terra e cheias de celeste orvalho que voem sem empecilhos, de todos os lados, conforme o sopro do Espírito Santo.

verdadeiros servos da Santíssima Virgem, que, como outros tantos São Domingos, vão por toda parte, com o facho lúcido e ardente do santo Evangelho na boca, e o santo Rosário na mão, a ladrar como cães, a arder como fogos e a iluminar como sóis as trevas do mundo; e que, por meio de uma verdadeira devoção a Maria Santíssima - isto é, uma devoção interior sem hipocrisia, exterior sem crítica, prudente sem ignorância, terna sem indiferença, constante sem volubilidade e santa sem presunção - esmaguem, por todos os lugares onde forem, a cabeça da antiga serpente, a fim de que a maldição que sobre ela lançastes seja inteiramente cumprida: inimicítias ponam inter te et mulíerem, inter semen tuum et semen ipsíus, et ipsa cónteret caput tuum.

É verdade, grande Deus, que o demônio há de armar, como predissestes, grandes ciladas ao calcanhar desta mulher misteriosa, isto é, a essa pequena Companhia de seus filhos que surgirão próximo do fim do mundo; e que haverá grandes inimizades entre esta bendita posteridade de Maria e a raça maldita de Satanás. Mas é esta uma inimizade toda divina, a única de que sejais autor: inimicítias ponam.

Porém, esses combates e essas perseguições, que os filhos e a raça de Belial farão à raça de vossa Mãe Santíssima, só servirão para melhor fazer resplandecer o poder de vossa graça, a coragem da virtude dos vossos servos, e a autoridade de vossa Mãe; pois que Lhe destes, desde o começo do mundo, a missão de esmagar esse soberbo, pela humildade de seu coração e de seu calcanhar: ipsa cónteret caput tuum.

O reino especial de Deus Pai durou até o dilúvio e foi terminado por um dilúvio de água; o reino de Jesus Cristo foi terminado por um dilúvio de sangue; mas vosso reino, Espírito do Pai e do Filho, continua presentemente e será terminado por um dilúvio de fogo, de amor e de justiça.
Quando é que virá este dilúvio de fogo do puro amor, que deveis atear em toda a Terra de um modo tão suave e tão veemente que todas as nações, os turcos, os idólatras, e até mesmo os judeus hão de arder nele e se converter?

seja ateado esse divino fogo que Jesus Cristo veio trazer à Terra, antes que ateeis o de vossa cólera que reduzirá toda a Terra a cinzas.

enviai à Terra esse Espírito todo de fogo, para nela criar sacerdotes todos de fogo, por cujo ministério seja renovada a face da Terra, e reformada a vossa Igreja.

Qual é, Senhor, esta chuva voluntária que separastes e escolhestes para vossa enfraquecida herança, senão esses santos missionários, filhos de Maria, vossa Esposa, aos quais deveis congregar e separar do comum dos homens, para o bem de vossa Igreja, tão debilitada e maculada pelos crimes de seus filhos?
Quem são esses animais e esses pobres que habitarão em vossa herança, e serão aí nutridos com a divina doçura que lhes haveis preparado, senão esses pobres missionários abandonados à Providência e que transbordarão de vossas mais divinas delícias.

Tais hão de ser os missionários que quereis enviar à vossa Igreja. Terão olhos de homem para o próximo, olhos de leão contra vossos inimigos, olhos de boi contra si próprios e olhos de águia para Vós.
Esses imitadores dos apóstolos pregarão com uma grande força e virtude, tão grande e tão deslumbrante, que hão de comover todos os espíritos e todos os corações nos lugares em que pregarem. A eles é que haveis de dar vossa palavra; vossa própria boca e vossa sabedoria, à qual nenhum de seus inimigos poderá resistir.

É entre esses prediletos que tomareis vossas complacências, na qualidade de Rei das virtudes de Jesus Cristo, o bem-amado, pois que em todas as suas missões não terão outro fim senão dar-Vos toda a glória dos despojos que arrebatarem a vossos inimigos.

Por seu abandono à Providência e sua devoção a Maria, terão as asas prateadas da pomba, isto é, a pureza da doutrina e dos costumes; e douradas as costas, isto é, uma perfeita caridade para com o próximo, para suportar-lhe os defeitos, e um grande amor a Jesus Cristo, para carregar a sua cruz.

Só Vós, como Rei dos Céus e Rei dos reis, haveis de separar do comum dos homens esses missionários como outros tantos reis, para torná-los mais brancos que a neve sobre a montanha de Selmon, montanha de Deus, montanha abundante e fértil, montanha forte e coagulada, montanha na qual Deus se compraz maravilhosamente, e na qual habita e há de habitar até o fim.

Quem é, Senhor Deus de verdade, essa montanha misteriosa de que nos dizeis tantas maravilhas, senão Maria, vossa dileta Esposa, cujos fundamentos pusestes sobre o cimo das mais altas montanhas?

Felizes e mil vezes felizes os sacerdotes que tão bem escolhestes e predestinastes para habitar convosco nessa abundante e divina montanha, para aí se tornarem reis da eternidade, por seu desprezo da Terra e sua elevação em Deus; para aí se tornarem mais brancos que a neve por sua união a Maria, vossa Esposa toda formosa, toda pura e toda imaculada; para aí se enriquecerem do orvalho do Céu e do húmus da Terra, de todas as bênçãos temporais e eternas de que está toda cheia Maria Santíssima.
É do alto dessa montanha que hão de lançar, quais novos Moisés, por suas ardentes súplicas, dardos contra seus inimigos, para os prostrar ou para os converter.
É sobre essa montanha que hão de aprender da própria boca de Jesus Cristo, que aí habita sempre, a inteligência das suas oito bem-aventuranças.
É sobre essa montanha de Deus que com Ele hão de ser transfigurados, como no Tabor, que hão de morrer com Ele, como no Calvário, e que hão de subir com Ele ao Céu, como no monte das Oliveiras.
Só a Vós compete formar, por vossa graça, essa assembléia; se o homem nela puser primeiro a mão, nada se fará; se nela misturar algo de próprio com o que é vosso, estragará tudo, arruinará tudo.
é obra vossa, grande Deus. fazei vossa obra toda divina; ajuntai, convocai, reuni de todas as partes de vossos domínios os vossos eleitos, para deles fazer um corpo de exército contra vossos inimigos.
Vede, Senhor Deus dos exércitos, os capitães que formam companhias completas, os potentados que reúnem exércitos numerosos, os navegadores que armam frotas inteiras, os mercadores que se congregam em grande número nos mercados e nas feiras!

Quantos ladrões, ímpios, ébrios e libertinos se unem em massa contra Vós todos os dias, tão fácil e prontamente: basta soltar um assobio, rufar um tambor, mostrar a ponta embotada de uma espada, prometer um ramo seco de louros, oferecer um pedaço de terra amarela ou branca; basta, em poucas palavras, uma fumaça de honra, um interesse de nada e um mesquinho prazer animal que se tem em vista, para, num instante, reunir os ladrões, ajuntar os soldados, agrupar os batalhões, congregar os mercadores, encher as casas e os mercados, e cobrir a terra e o mar com uma multidão inumerável de réprobos que - embora divididos todos entre si, ou pelo afastamento dos lugares, ou pela diversidade dos gênios, ou por seus próprios interesses - se unem entretanto todos até à morte, para fazer-Vos guerra sob o estandarte e o comando do demônio.

E Vós, grande Deus! embora haja tanta glória, doçura e proveito em servir-Vos, quase ninguém tomará o vosso partido? Quase nenhum soldado se alistará sob vossos estandartes? Quase nenhum São Miguel clamará no meio de seus irmãos, cheio de zelo pela vossa glória: Quis ut Deus?

Ah! permiti-me bradar por toda parte: Fogo, fogo, fogo! Socorro, socorro, socorro! Fogo na casa de Deus, fogo nas almas, fogo até no santuário! Socorro, que assassinam nosso irmão; socorro, que degolam nossos filhos, socorro, que apunhalam nosso bom Pai!

que venham todos os bons sacerdotes espalhados pelo mundo cristão, quer os que estejam atualmente no combate, quer os que se tenham retirado da confusão da batalha para os desertos e ermos; que venham esses bons sacerdotes e se unam a nós.

a fim de formarmos, sob o estandarte da Cruz, um exército em boa ordem de batalha e bem disciplinado, para de concerto atacar os inimigos de Deus que já tocaram a rebate.

Erguei-Vos, Senhor! Por que pareceis dormir? Erguei-Vos em vossa onipotência, em vossa misericórdia e em vossa justiça, para formar-Vos uma companhia seleta de guardas que velem a vossa casa, defendam vossa glória e salvem vossas almas, a fim de que haja um só rebanho e um só pastor, e de que todos Vos rendam glória em vosso templo. Amém.

Nenhum comentário:

Postar um comentário