Mas porque Almas Castelos? Eu conheci algumas. São pessoas cujas almas se parecem com um castelo. São fortes e combativas, contendo no seu interior inúmeras salas, cada qual com sua particularidade e sua maravilha. Conversar, ouvir uma história... é como passear pelas salas de sua alma, de seu castelo. Cada sala uma história, cada conversa uma sala. São pessoas de fé flamejante que, por sua palavra, levam ao próximo: fé, esperança e caridade. São verdadeiras fortalezas como os muros de um Castelo contra a crise moral e as tendências desordenadas do mundo moderno. Quando encontramos essas pessoas, percebemos que conhecer sua alma, seu interior, é o mesmo que visitar um castelo com suas inúmeras salas. São pessoas que voam para a região mais alta do pensamento e se elevam como uma águia, admirando os horizontes e o sol... Vivem na grandeza das montanhas rochosas onde os ventos são para os heróis... Eu conheci algumas dessas águias do pensamento. Foram meus professores e mestres, meus avós e sobretudo meus Pais que enriqueceram minha juventude e me deram a devida formação Católica Apostolica Romana através das mais belas histórias.

A arte de contar histórias está sumindo, infelizmente.

O contador de histórias sempre ocupou um lugar muito importante em outras épocas.

As famílias não têm mais a união de outrora, as conversas entre amigos se tornaram banais. Contar histórias: Une as famílias, anima uma conversa, torna a aula agradável, reata as conversas entre pais e filhos, dá sabedoria aos adultos, torna um jantar interessante, aguça a inteligência, ilustra conferências... Pense nisso.

Há sempre uma história para qualquer ocasião.

“Ide por todo o mundo e pregai o Evangelho a toda criatura” (Mc. 16:15)

Nosso Senhor Jesus Cristo ensinava por parábolas. Peço a Nossa Senhora que recompense ao cêntuplo, todas as pessoas que visitarem este Blog e de alguma forma me ajudarem a divulga-lo. Convido você a ser um seguidor. Autorizo a copiar todas as matérias publicadas neste blog, mas peço a gentileza de mencionarem a fonte de onde originalmente foi extraída. Além de contos, estórias, histórias e poesias, o blog poderá trazer notícias e outras matérias para debates.
Agradeço todos os Sêlos, Prêmios e Reconhecimentos que o Blog Almas Castelos recebeu. Todos eles dou para Nossa Senhora, sem a qual o Almas Castelos não existiria. Por uma questão de estética os mesmos foram colocados na barra lateral direita do Blog. Obrigado. Que a Santa Mãe de Deus abençoe a todos.

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Homenagem à minha família

Há momentos de nossa vida em que a saudades de nossa família aperta no peito. Meus queridos pais e seus pais e avós, meus bisavós. Família que manteve as tradições italianas desde muitos anos até nossos dias. Lembranças do Norte da Itália e da música que trouxeram como herança de sua terra natal e que é cantada até hoje lembramos com felicidade.


La Montanara

Là su per le montagne, (Lá em cima das montanhas)
fra boschi e valli d'or, (entre bosques e vales dourados,)
tra l'aspre rupi echeggia (entre os ásperos penhascos ecoa)
un cantico d'amor. (um cântico de amor)
(Bis)

La montanara o-he (A montanara o-he)
si sente cantare, (se ouve cantar,)
cantiam la montanara (cantaremos a montarana)
e chi non la sa? (e quem não a sabe?)
(Bis 2 vezes)

Là su sui monti (Lá em cima dos montes)
dai rivi d'argento, (com seus riachos de prata,)
una capanna cosparsa di fiori. (uma cabana coberta de flores.)

Era la piccola (Era a pequena)
dolce dimora (doce morada)
di Soreghina(*) (de Soreghina)
la figlia del sol. (bis) (A filha do sol.)

(*) Personagen de uma fábula.
LA PASTORA

La Pastora

E lassù sulla montagna gh’era su ‘na pastorella,
pascolava i suoi caprin su l’erba fresca e bella.
E di lì passà un signore e ‘l ghe diss:
“oi pastorella, guarda ben che i tuoi caprin lupo non se li piglia”.

Salta for lupo dal bosco, con la faccia nera, nera:
l’à magnà, ‘l più bel caprn che la pastora aveva.
Ed allor si mise a piangere, e piangeva forte forte,
a veder il ben caprin, vederlo andar a morte.

Lá em cima da montanha havia uma pastora,
suas cabras pastavam na relva fresca e bonita.
E um cavalheiro passou e disse-lhe:
"Olá pastora, proteja bem suas cabras para que o lobo não as devore"

Salta o lobo do bosque, com o rosto preto, preto:
e devora a mais bela cabra que a pastora tinha.
E então se colocou a chorar, chorou forte forte,
para ver bem a cabra, vê-la ir até a morte.

4 comentários:

  1. Obrigado meu irmão. Que a Paz de Deus esteja contigo e com nossa Familia.

    ResponderExcluir
  2. Como é bom mesmo lembrar de nossa família. A Itália de seus antepassados é mesmo linda, Jorge. A natureza é bela, as canções, as músicas. Gostei muito dos vídeos. Dos coros. Tive a felicidade de conhecer uma pequena cidade chamada Buttigliera d'Asti, na Província de Asti, próxima à Turim, no Piemonte. Depois, conheci também um pouco da região do Vêneto. E, por último, conheci Roma. Foram poucos momentos, mais as pessoas (voluntários italianos que, aqui, conhecemos) foram bastante hospitaleiros e gentis. O norte é belíssimo. Parabéns por sua família. Adoro as canções regionais e típicas de lá. "Ô, Campagnola bella, tu sei la reginella"...e tantas outras mais. Acho muito lindas. Parabéns, amigo Jorge por sua bela família!! Um bom dia, bom trabalho :)

    ResponderExcluir
  3. Suziley, obrigado pelo comentário. Friuli Venezia Giulia, Trentino, Vêneto. Ano passado estive lá revendo parentes. Trouxe alguns CDs das músicas tradicionais. Tem músicas cantadas até em ladino. Conheço "Ô, Campagnola". Obrigado minha amiga. Fica com Deus e uma ótima semana.

    ResponderExcluir