Mas porque Almas Castelos? Eu conheci algumas. São pessoas cujas almas se parecem com um castelo. São fortes e combativas, contendo no seu interior inúmeras salas, cada qual com sua particularidade e sua maravilha. Conversar, ouvir uma história... é como passear pelas salas de sua alma, de seu castelo. Cada sala uma história, cada conversa uma sala. São pessoas de fé flamejante que, por sua palavra, levam ao próximo: fé, esperança e caridade. São verdadeiras fortalezas como os muros de um Castelo contra a crise moral e as tendências desordenadas do mundo moderno. Quando encontramos essas pessoas, percebemos que conhecer sua alma, seu interior, é o mesmo que visitar um castelo com suas inúmeras salas. São pessoas que voam para a região mais alta do pensamento e se elevam como uma águia, admirando os horizontes e o sol... Vivem na grandeza das montanhas rochosas onde os ventos são para os heróis... Eu conheci algumas dessas águias do pensamento. Foram meus professores e mestres, meus avós e sobretudo meus Pais que enriqueceram minha juventude e me deram a devida formação Católica Apostolica Romana através das mais belas histórias.

A arte de contar histórias está sumindo, infelizmente.

O contador de histórias sempre ocupou um lugar muito importante em outras épocas.

As famílias não têm mais a união de outrora, as conversas entre amigos se tornaram banais. Contar histórias: Une as famílias, anima uma conversa, torna a aula agradável, reata as conversas entre pais e filhos, dá sabedoria aos adultos, torna um jantar interessante, aguça a inteligência, ilustra conferências... Pense nisso.

Há sempre uma história para qualquer ocasião.

“Ide por todo o mundo e pregai o Evangelho a toda criatura” (Mc. 16:15)

Nosso Senhor Jesus Cristo ensinava por parábolas. Peço a Nossa Senhora que recompense ao cêntuplo, todas as pessoas que visitarem este Blog e de alguma forma me ajudarem a divulga-lo. Convido você a ser um seguidor. Autorizo a copiar todas as matérias publicadas neste blog, mas peço a gentileza de mencionarem a fonte de onde originalmente foi extraída. Além de contos, estórias, histórias e poesias, o blog poderá trazer notícias e outras matérias para debates.
Agradeço todos os Sêlos, Prêmios e Reconhecimentos que o Blog Almas Castelos recebeu. Todos eles dou para Nossa Senhora, sem a qual o Almas Castelos não existiria. Por uma questão de estética os mesmos foram colocados na barra lateral direita do Blog. Obrigado. Que a Santa Mãe de Deus abençoe a todos.

segunda-feira, 3 de maio de 2010

Brincadeiras Antigas

Há algum tempo atrás eu me ví diante de uma dificuldade um pouco comum entre a maioria das pessoas. O que comprar para presentear um casal de crianças gêmeas, pelo seu aniversário? Depois de pensar cheguei a uma conclusão. Comprei duas caixinhas bem pintadas, daquelas preparadas para despertar o senso de maravilhoso nos jovens. Pareciam conter algo de muito precioso. Tinham uma tonalidade de cores envelhecidas dando a impressão de serem caixinhas muito antigas. No centro de cada uma havia uma estampa colada representando crianças “dos velhos tempos” brincando. Internamente as caixinhas estavam divididas. Em cada uma das divisões internas continha um pequeno brinquedo.

Ao chegar na casa dos aniversariantes, logo vieram correndo me cumprimentar e curiosos para saber que presente iriam ganhar. Pegaram os pacotes e sem mais demora abriram-nos. Cada um teve uma reação diferente. A menina tratou logo de abrir a caixinha e ao ver seu conteúdo seus olhos brilharam: entre outras coisas, uma boneca de pano costurada a mão com vestido longo, chapéu e rendas. Pegou-a e imediatamente foi mostrar aos seus pais. O menino, porém, teve uma reação interessante. Maravilhado com a própria caixinha em si, ficou admirando-a por um certo tempo, talvez imaginando “o que teria a lá dentro”. Via-se nos seus olhos que seus pensamentos iam além do que estava vendo... “Que caixinha misteriosa e bonita, meio antiga...” Depois acabou abrindo a caixinha e com olhos percorreu detidamente tudo quanto lá havia. Com suas mãozinhas cheias de cuidado “saboreou” tudo detidamente.

- “Foi o melhor presente que eu ganhei” disseram ambos.

O que continham as caixinhas ? Simplesmente brinquedos tradicionais que já algum tempo a juventude tem deixado cair no esquecimento.

RESGATANDO JOGOS TRADICIONAIS:

A revista “Kalunga” noticiou: “Graças a Deus, simples e inocentes jogos tradicionais de crianças resistem por todo o Brasil à concorrência desleal da televisão, que geralmente transmite um conteúdo degradante. Não há menino ou menina que não saiba brincar de esconde-esconde, polícia-e-ladrão, pegador, casinha e tantos outros do tipo faz de conta. (“Entre o céu e o inferno”, “Kalunga”, São Paulo, julho de 1998).

Em alguns lugares ainda se preservam os jogos de bolinhas de gude, que não deixa de ser uma espécie de “golfe de mão infantil”. As variedades de tamanho e coloração das bolinhas de vidro encantam as crianças.
Recentemente também voltou a moda dos piãos de madeira... As variedades também são grandes, com vários formatos e desenhos. Há até uma competição de pião em vários lugares.
Quem não conhece “cama-de-gato”? Aquele jogo com barbantes onde uma criança “tira o barbante” da mão do outro fazendo novas formas de desenhos?
“Cinco Marias” – saquinhos recheados com areia que as meninas brincam graduando o jogo com inúmeras dificuldades?
As antigas e famosas brincadeiras de “roda”, onde se cantavam as mais belas canções do mundo musical infantil.
As belíssimas “cantigas de ninar” também tem um repertório enorme.
Existem livros sobre as brincadeiras e brinquedos tradicionais. Foram editados livros com as cantigas de roda e livros com as cantigas de ninar. Normalmente esses livros vêm acompanhados do CD para aprender as músicas “de sempre”.
O mundo dos brinquedos e brincadeiras tradicionais é imenso.
As bonecas de pano, costuradas "a mão" com suas roupas tradicionais e com trajes típicos... Há pessoas que colecionam essas bonecas.

É muito saudável, espiritualmente e fisicamente, incentivar as crianças a praticarem esses jogos. Incentivo que também fará bem aos adultos, pois lhes trará saudades da inocência e da felicidade de quando eram jovens.

OBSERVAÇÃO: Apesar de existirem casas que vendem esses produtos, não é preciso muita habilidade também para fazer artesanalmente uma dessas “caixinhas maravilhosas”. Podem ser feitas ou compradas, pintadas, decoradas, "recheando-se" com muitos brinquedos e livros de canções e brincadeiras tradicionais. O sabor do presente, neste caso, se enriquece ainda mais, pois foi feito artesanalmente e com carinho.

2 comentários:

  1. Uma excelente idéia para presentear nossas crianças. Os adultos também gostariam de ganhar semelhante coisa, talvez contendo um jogo de xadrez ou damas. Fica a sugestão.
    Desejo sucesso para este blog tão proveitoso.

    ResponderExcluir
  2. leticia vidal estudante6 de outubro de 2016 18:07

    Muimto legal isso e verdade ou fixisao

    ResponderExcluir