Mas porque Almas Castelos? Eu conheci algumas. São pessoas cujas almas se parecem com um castelo. São fortes e combativas, contendo no seu interior inúmeras salas, cada qual com sua particularidade e sua maravilha. Conversar, ouvir uma história... é como passear pelas salas de sua alma, de seu castelo. Cada sala uma história, cada conversa uma sala. São pessoas de fé flamejante que, por sua palavra, levam ao próximo: fé, esperança e caridade. São verdadeiras fortalezas como os muros de um Castelo contra a crise moral e as tendências desordenadas do mundo moderno. Quando encontramos essas pessoas, percebemos que conhecer sua alma, seu interior, é o mesmo que visitar um castelo com suas inúmeras salas. São pessoas que voam para a região mais alta do pensamento e se elevam como uma águia, admirando os horizontes e o sol... Vivem na grandeza das montanhas rochosas onde os ventos são para os heróis... Eu conheci algumas dessas águias do pensamento. Foram meus professores e mestres, meus avós e sobretudo meus Pais que enriqueceram minha juventude e me deram a devida formação Católica Apostolica Romana através das mais belas histórias.

A arte de contar histórias está sumindo, infelizmente.

O contador de histórias sempre ocupou um lugar muito importante em outras épocas.

As famílias não têm mais a união de outrora, as conversas entre amigos se tornaram banais. Contar histórias: Une as famílias, anima uma conversa, torna a aula agradável, reata as conversas entre pais e filhos, dá sabedoria aos adultos, torna um jantar interessante, aguça a inteligência, ilustra conferências... Pense nisso.

Há sempre uma história para qualquer ocasião.

“Ide por todo o mundo e pregai o Evangelho a toda criatura” (Mc. 16:15)

Nosso Senhor Jesus Cristo ensinava por parábolas. Peço a Nossa Senhora que recompense ao cêntuplo, todas as pessoas que visitarem este Blog e de alguma forma me ajudarem a divulga-lo. Convido você a ser um seguidor. Autorizo a copiar todas as matérias publicadas neste blog, mas peço a gentileza de mencionarem a fonte de onde originalmente foi extraída. Além de contos, estórias, histórias e poesias, o blog poderá trazer notícias e outras matérias para debates.
Agradeço todos os Sêlos, Prêmios e Reconhecimentos que o Blog Almas Castelos recebeu. Todos eles dou para Nossa Senhora, sem a qual o Almas Castelos não existiria. Por uma questão de estética os mesmos foram colocados na barra lateral direita do Blog. Obrigado. Que a Santa Mãe de Deus abençoe a todos.

domingo, 9 de maio de 2010

STABAT MATER

(Poema medieval do séc. XIII - o texto original é em latim)

Estava a Mãe dolorosa
chorando junto à cruz
da qual seu filho pendia.

Sua alma soluçante,
inconsolável e angustiada,
era atravessada por um punhal.

Ó, que triste e aflita
estava a bendita Mãe
do Filho unigênito !

Transpassada de dor,
chorava vendo
o tormento do seu Filho.

Quem poderia não se entristecer
ao contemplar a Mãe de Cristo
sofrendo tanto suplício ?

Quem poderia contar as lágrimas
vendo a Mãe de Cristo
dolorida junto ao seu Filho ?

Pelos pecados do seu povo
Ela viu Jesus no tormento,
flagelado por seus súditos.

Viu seu doce Filho
morrendo, desolado
ao entregar seu espírito.

Ó mãe, fonte de amor,
faz com que eu sinta toda a sua dor
para que eu chore contigo.

Faz com que meu coração arda
no amor a Cristo Senhor
para que possa consolar-me.

Mãe Santa, marca profundamente
no meu coração
as chagas do teu Filho crucificado.

Por mim teu Filho, coberto de chagas,
quis sofrer seus tormentos;
quero comparti-los.

Faz com que eu chore
e que suporte com Ele a sua cruz
enquanto dure a minha existencia.

Quero estar em pé,
ao teu lado, junto à cruz,
chorando junto a Ti.

Virgem de virgens preclara,
não sejas rigorosa comigo,
deixa-me chorar junto a Ti.

Faz com que eu comparta a morte de Cristo,
que participe da sua Paixão
e que rememore as suas chagas.

Faz com que me firam as suas feridas,
que sofra os padecimentos da cruz
pelo amor do teu Filho.

Inflamado e elevado pelas chamas
seja defendido por Ti, ó Virgem,
no dia do juízo final.

Faz com que eu seja custodiado pela cruz,
fortalecido pela morte de Cristo
e confortado pela sua graça.

Quando o corpo morra,
faz com que minha alma alcance
a glória do paraíso.

Amém. Pelos séculos dos séculos

NOTA EXPLICATIVA: O "Stabat Mater" é um poema medieval, que segundo a tradição, foi escrito no século XIII. O poema é tão bonito que seu texto foi usado por vários músicos: Foi escrita em forma de canto gregoriano, em forma de polifonia sacra e até em forma de ópera. Foi musicada por Bach, Pergolesi, Haydn, Rossini, etc...
Os monges beneditinos de Clervaux, o cantam em forma de gregoriano. Rossini, o escreveu em forma de ópera. Scarlatti, o escreveu para dez vozes...O "Stabat Mater" de Pergolesi, foi encomendado pela mais nobre ordem de cavaleiros da Nossa Senhora dos Pesares, em Nápoles, para execução em cada sexta feira de março na Igreja Franciscana de San Luigi, igreja ligada ao Palácio Real, onde os cavaleiros se encontravam para adoração.

Um comentário:

  1. Tenho um CD com o Stabat Mater cantado em gregoriano, mas gostaria muito de ouvir em outras versões.
    Catina
    catina2012@yahoo.com.br

    ResponderExcluir