Mas porque Almas Castelos? Eu conheci algumas. São pessoas cujas almas se parecem com um castelo. São fortes e combativas, contendo no seu interior inúmeras salas, cada qual com sua particularidade e sua maravilha. Conversar, ouvir uma história... é como passear pelas salas de sua alma, de seu castelo. Cada sala uma história, cada conversa uma sala. São pessoas de fé flamejante que, por sua palavra, levam ao próximo: fé, esperança e caridade. São verdadeiras fortalezas como os muros de um Castelo contra a crise moral e as tendências desordenadas do mundo moderno. Quando encontramos essas pessoas, percebemos que conhecer sua alma, seu interior, é o mesmo que visitar um castelo com suas inúmeras salas. São pessoas que voam para a região mais alta do pensamento e se elevam como uma águia, admirando os horizontes e o sol... Vivem na grandeza das montanhas rochosas onde os ventos são para os heróis... Eu conheci algumas dessas águias do pensamento. Foram meus professores e mestres, meus avós e sobretudo meus Pais que enriqueceram minha juventude e me deram a devida formação Católica Apostolica Romana através das mais belas histórias.

A arte de contar histórias está sumindo, infelizmente.

O contador de histórias sempre ocupou um lugar muito importante em outras épocas.

As famílias não têm mais a união de outrora, as conversas entre amigos se tornaram banais. Contar histórias: Une as famílias, anima uma conversa, torna a aula agradável, reata as conversas entre pais e filhos, dá sabedoria aos adultos, torna um jantar interessante, aguça a inteligência, ilustra conferências... Pense nisso.

Há sempre uma história para qualquer ocasião.

“Ide por todo o mundo e pregai o Evangelho a toda criatura” (Mc. 16:15)

Nosso Senhor Jesus Cristo ensinava por parábolas. Peço a Nossa Senhora que recompense ao cêntuplo, todas as pessoas que visitarem este Blog e de alguma forma me ajudarem a divulga-lo. Convido você a ser um seguidor. Autorizo a copiar todas as matérias publicadas neste blog, mas peço a gentileza de mencionarem a fonte de onde originalmente foi extraída. Além de contos, estórias, histórias e poesias, o blog poderá trazer notícias e outras matérias para debates.
Agradeço todos os Sêlos, Prêmios e Reconhecimentos que o Blog Almas Castelos recebeu. Todos eles dou para Nossa Senhora, sem a qual o Almas Castelos não existiria. Por uma questão de estética os mesmos foram colocados na barra lateral direita do Blog. Obrigado. Que a Santa Mãe de Deus abençoe a todos.

quarta-feira, 21 de abril de 2010

O Último Ramalhete

[ Mariófilo ]

Teresa era menina pobrezinha, mas muito piedosa e filha muito dedicada. Para auxiliar a boa mãe, colhia no mês de maio violetas nas matas, vendendo-as aos forasteiros. Embora precisasse muito do dinheiro, reservava sempre, entretanto, um ramalhete para o altar de Nossa Senhora. Certo dia, depois de ter vendido quase tudo, veio por fim uma senhora muito rica e nobre com uma mocinha, sua filha, muito pálida e doentinha. Pediu os últimos ramalhetes. Teresa deu apenas um, guardando o outro. A doente insistiu para obter também o último. “Não posso dá-lo - disse Teresa - pois já tem dono, é de Nossa Senhora, para quem reservo sempre o último ramalhete”.
As senhoras gostaram da pequena e de sua devoção a Nossa Senhora. Indagaram da vida e das condições de Teresa. Por fim conhecendo sua extrema pobreza, levaram-na consigo, junto com a velha mãe, para ser a companheira da doente. Assim Nossa Senhora recompensou ricamente o último ramalhete de violetas que Teresa tão piedosamente diariamente lhe oferecia.
Oferecer flores a Maria é uma praxe mui poética e muito fácil; está ao alcance de todos. Flores encontramo-las em toda a parte; basta colhê-las. Embora flor simples, apanhada talvez num passeio no mato ou a beira de um riacho, colocada ao pé da imagem no teu quarto, Nossa Senhora aceita-a; ela vê a tua boa intenção.
Tu não podes ficar sempre diante da sua imagem; a flor te representa; a sua bela cor, o seu doce perfume fala a Maria da tua dedicação e do teu amor. Essas florzinhas são outras tantas vozes que dizem em teu nome: Ave Maria ! Ó Maria, eu vos amo; protegei-me, defendei-me !
Se, voltando de um passeio, apanhas uma bonita flor e a levas a tua mãe, não se mostra ela contente pela tua atenção ?
Então, nossa boa Mãe do céu não se mostrará contente quando lhe ofereces uma flor ? Dá-lhe este prazer; ela o recompensará generosamente.
Vivia em Paris uma senhora piedosa e muito devota de Maria SSma. Era o seu prazer enfeitar a imagem de Nossa Senhora com lindas flores naturais. Seu marido, homem sem crença, trazia, entretanto, nos sábados, flores para que sua esposa tivesse o prazer de colocá-las diante da imagem da Virgem. Aconteceu, porém, que o homem morreu repentinamente sem ter tempo de receber os santos Sacramentos. Grande foi a dôr da viúva que, conhecendo bem as prescrições da santa religião, temia pela salvação do marido. Na sua aflição procurou o santo cura d’Ars, João Vianney. Este, recebendo-a, antes de ouvir uma palavra dela disse: “Minha filha, console-se; a alma do seu marido está salva; Nossa Senhora, recompensando-lhe as flores que oferecia nos sábados, alcançou-lhe a graça de contrição perfeita de maneira que recebeu na última hora o perdão dos seus pecados”.
Oh ! como Maria é boa ! Recompensa divinamente umas poucas flores !

(Texto extraído da revista “O CALVÁRIO”, dos padres passionistas, número 03, de março de 1961 - Ano XL)

Um comentário: