Mas porque Almas Castelos? Eu conheci algumas. São pessoas cujas almas se parecem com um castelo. São fortes e combativas, contendo no seu interior inúmeras salas, cada qual com sua particularidade e sua maravilha. Conversar, ouvir uma história... é como passear pelas salas de sua alma, de seu castelo. Cada sala uma história, cada conversa uma sala. São pessoas de fé flamejante que, por sua palavra, levam ao próximo: fé, esperança e caridade. São verdadeiras fortalezas como os muros de um Castelo contra a crise moral e as tendências desordenadas do mundo moderno. Quando encontramos essas pessoas, percebemos que conhecer sua alma, seu interior, é o mesmo que visitar um castelo com suas inúmeras salas. São pessoas que voam para a região mais alta do pensamento e se elevam como uma águia, admirando os horizontes e o sol... Vivem na grandeza das montanhas rochosas onde os ventos são para os heróis... Eu conheci algumas dessas águias do pensamento. Foram meus professores e mestres, meus avós e sobretudo meus Pais que enriqueceram minha juventude e me deram a devida formação Católica Apostolica Romana através das mais belas histórias.

A arte de contar histórias está sumindo, infelizmente.

O contador de histórias sempre ocupou um lugar muito importante em outras épocas.

As famílias não têm mais a união de outrora, as conversas entre amigos se tornaram banais. Contar histórias: Une as famílias, anima uma conversa, torna a aula agradável, reata as conversas entre pais e filhos, dá sabedoria aos adultos, torna um jantar interessante, aguça a inteligência, ilustra conferências... Pense nisso.

Há sempre uma história para qualquer ocasião.

“Ide por todo o mundo e pregai o Evangelho a toda criatura” (Mc. 16:15)

Nosso Senhor Jesus Cristo ensinava por parábolas. Peço a Nossa Senhora que recompense ao cêntuplo, todas as pessoas que visitarem este Blog e de alguma forma me ajudarem a divulga-lo. Convido você a ser um seguidor. Autorizo a copiar todas as matérias publicadas neste blog, mas peço a gentileza de mencionarem a fonte de onde originalmente foi extraída. Além de contos, estórias, histórias e poesias, o blog poderá trazer notícias e outras matérias para debates.
Agradeço todos os Sêlos, Prêmios e Reconhecimentos que o Blog Almas Castelos recebeu. Todos eles dou para Nossa Senhora, sem a qual o Almas Castelos não existiria. Por uma questão de estética os mesmos foram colocados na barra lateral direita do Blog. Obrigado. Que a Santa Mãe de Deus abençoe a todos.

quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Os quatro graus do amor humano


Sempre gostei muito de ler sobre a história da Igreja. E quantos livros temos sobre o assunto! Cada autor descreve com sua arte a trajetória brilhante da Santa Igreja Católica Apostólica Romana – fundada pelo próprio Nosso Senhor Jesus Cristo. Porém um livro me chamou a atenção de uma forma particular: “Pelos Caminhos do Amor”, onde o autor começa descrevendo a História da Igreja com a narrativa de como poderia ter sido a Coroação de Nossa Senhora no Céu. O encontro com São José, seu castíssimo esposo; o encontro com seus pais São Joaquim e Santa Ana; as saudações dos profetas e todos os santos; um coro de anjos da mais alta hierarquia e uma música de indizível beleza de toda a corte celeste...

Logo em seguida o livro trata das atividades dos apóstolos, as heresias, os concílios, a conversão dos bárbaros, a Idade Média, até Lutero. Após comenta as intervenções de Nossa Senhora ao longo da História e suas diversas aparições.

Mas hoje vou transcrever apenas um trecho do seu prelúdio que trata dos quatro graus do amor humano, segundo São Bernardo de Claraval. Vejamos:

“São Bernardo de Claraval assim se manifestou: Desejais pois conhecer por mim, porque motivo e em que medida se deve amar a Deus? Eu lhes direi: o verdadeiro motivo para amar a Deus é que Ele é Deus.; a medida em que deveis amá-Lo, é amá-Lo sem medida. Terei dito bastante? Sim, talvez para os sensatos.”

Os quatro graus do amor humano:

“Primeiramente o homem ama-se a si próprio apenas por si; em seguida, ao descobrir que não pode estar só e que Deus lhe é necessário, principia a procurar o seu Criador e a amá-Lo como fonte de benefício para ele próprio; por fim, obrigado pelas suas necessidades a um convívio freqüente com Deus, em meditação, leitura, oração e obediência, termina por compreender a doçura do Senhor e atinge o terceiro grau, onde Deus é amado puramente por Si próprio, embora não amado exclusivamente. No quarto grau, o homem não se ama sequer a si próprio, senão por causa de Deus. Na verdade ignoro se este grau foi alguma vez plenamente alcançado na vida presente”.

“E ainda São Bernardo de Claraval demonstra, relativamente a intensidade do Amor Divino: E em que grau nos amou Deus? Deixemos que responda São João Evangelista: Tanto amou Deus o mundo que lhe deu o seu Filho Unigênito.” [...] “E o Filho (Nosso Senhor Jesus Cristo) diz DELE próprio: Ninguém tem maior amor do que aquele que dá a vida por seus amigos”.

“Pelos Caminhos do Amor” de Jusan F. Novaes – 1ª edição, ano 1983 – com aprovação eclesiástica – NIHIL OBSTAT, IMPRIMATUR de Dom Antonio Afonso de Miranda SDN, Bispo Diocesano de Taubaté (Estado de São Paulo – Brasil).

Um comentário:

  1. Caro Jorge, este post de hoje me fez um bem imenso! Não sabe como admiro imensamente São Bernardo! Suas palavras sempre causam um grande ardor em minha alma!

    Gostaria de aproveitar e recomendar a leitura destas outras palavras de São Bernardo, que publiquei em meu blog:

    http://alexbenedictus-et-patensis.blogspot.com/2011/08/o-motivo-para-amar-deus-e-ele-mesmo.html

    ResponderExcluir