Mas porque Almas Castelos? Eu conheci algumas. São pessoas cujas almas se parecem com um castelo. São fortes e combativas, contendo no seu interior inúmeras salas, cada qual com sua particularidade e sua maravilha. Conversar, ouvir uma história... é como passear pelas salas de sua alma, de seu castelo. Cada sala uma história, cada conversa uma sala. São pessoas de fé flamejante que, por sua palavra, levam ao próximo: fé, esperança e caridade. São verdadeiras fortalezas como os muros de um Castelo contra a crise moral e as tendências desordenadas do mundo moderno. Quando encontramos essas pessoas, percebemos que conhecer sua alma, seu interior, é o mesmo que visitar um castelo com suas inúmeras salas. São pessoas que voam para a região mais alta do pensamento e se elevam como uma águia, admirando os horizontes e o sol... Vivem na grandeza das montanhas rochosas onde os ventos são para os heróis... Eu conheci algumas dessas águias do pensamento. Foram meus professores e mestres, meus avós e sobretudo meus Pais que enriqueceram minha juventude e me deram a devida formação Católica Apostolica Romana através das mais belas histórias.

A arte de contar histórias está sumindo, infelizmente.

O contador de histórias sempre ocupou um lugar muito importante em outras épocas.

As famílias não têm mais a união de outrora, as conversas entre amigos se tornaram banais. Contar histórias: Une as famílias, anima uma conversa, torna a aula agradável, reata as conversas entre pais e filhos, dá sabedoria aos adultos, torna um jantar interessante, aguça a inteligência, ilustra conferências... Pense nisso.

Há sempre uma história para qualquer ocasião.

“Ide por todo o mundo e pregai o Evangelho a toda criatura” (Mc. 16:15)

Nosso Senhor Jesus Cristo ensinava por parábolas. Peço a Nossa Senhora que recompense ao cêntuplo, todas as pessoas que visitarem este Blog e de alguma forma me ajudarem a divulga-lo. Convido você a ser um seguidor. Autorizo a copiar todas as matérias publicadas neste blog, mas peço a gentileza de mencionarem a fonte de onde originalmente foi extraída. Além de contos, estórias, histórias e poesias, o blog poderá trazer notícias e outras matérias para debates.
Agradeço todos os Sêlos, Prêmios e Reconhecimentos que o Blog Almas Castelos recebeu. Todos eles dou para Nossa Senhora, sem a qual o Almas Castelos não existiria. Por uma questão de estética os mesmos foram colocados na barra lateral direita do Blog. Obrigado. Que a Santa Mãe de Deus abençoe a todos.

terça-feira, 22 de novembro de 2011

A morte do justo


Um monge, muito moço ainda, que vivia com outros religiosos no deserto da Tebaida, caiu gravemente enfermo. Apesar dos grandes sofrimentos que o torturavam cruelmente, a sua fisionomia era serena e seu olhar tranqüilo.

Acreditavam os monges que o demônio apareceu muitas vezes ao justo, na hora da morte, sob a forma de anjo resplandecente de luz, para tenta-lo pelo pecado de orgulho. Temiam, pois, pela sorte do jovem anacoreta. Estaria ele, nos últimos momentos de vida, sendo iludido pelo gênio do mal?

O superior disse, pois, ao moribundo:

- Permití, meu filho, que vos faça uma pergunta?

- Sim, meu pai. Que desejais ouvir de mim?

- Dizei-nos, meu filho, qual é a causa dessa tranqüilidade perfeita, dessa felicidade inefável de que parece vos achais possuído?

Respondeu o agonizante:

- Quando ingressei, meu pai, na vida religiosa, li no Evangelho estas palavras sagradas: “Não julgueis para que não sejais julgado”. Esta divina sentença gravou-se, para sempre, no meu coração e sobre ela meditei profundamente.. Procurei seguir o divino ensinamento de Jesus. Não julguei e agora espero a misericórdia de Deus.

(Lendas do Céu e da Terra – Malba Tahan)

NOTA DO BLOGUE: Tenho muitos amigos religiosos. Por várias ocasiões presenciei comentários sobre algum outro religioso, como: "Aquele está mal". Uns riam, outros zombavam dizendo coisas feias, outros porém ficavam preocupados e procuravam fazer apostolado com o que não estava muito bem. Meus amigos e amigas, religiosos ou leigos, quem não tem problemas no mundo de hoje? Ao invés de criticar, zombar, ou fazer piorar a situação de quem está com problemas, procurem fazer apostolado. Tenham caridade cristã, que, segundo o apóstolo São Paulo, é a maior de todas as virtudes: "Por ora, subsistem a fé, a esperança e a caridade - as três. Porém, a maior delas é a caridade" (I Corintios, cap. 13, vers 13).

3 comentários:

  1. Sua nota do blogue me deixou com mais remorso.Tenho por mim que nos dias atuais esse é o pecado maior, parece ser a tônica constante. Aconteceu comigo hoje de manhã. Passei por um constrangimento inesperado, imprevisível de minha parte que me deixou bastante indignada, frustrada e comentando com quem eu pudesse e, já em casa, comentando com minha neta ela me repreendeu dizendo que eu não tinha provas, então eu não devia estar julgando a pessoa. Resultado, estou mal, rezando para tirar isso de dentro de mim e não melhorei até agora.Boa lição eu recebi dessa notinha do blog. Um abração!

    ResponderExcluir
  2. Dom Duarte Duque de Bragança

    Entrevista da revista FLASH! à Família Real Portuguesa: «O Natal não são os presentes, é a celebração da vida do Menino Jesus, é o espírito de paz, amor e caridade», afirmou S.A.R., a Senhora Dona Isabel Duquesa de Bragança.

    Gostaria que Dom Afonso, herdeiro de Dom Duarte Pio, se apaixonasse e casasse com uma princesa europeia? (FLASH!)
    Dona Isabel de Bragança, sorri e responde de imediato:

    “Independentemente de ser princesa ou príncipe, o que eu e o meu marido pretendemos é que os nossos filhos encontrem uma pessoa que acredite nos mesmos valores, que tenha um projecto em comum e consigam encontrar alguém com uma união como a que tenho com o meu marido. Temos a sorte de nos termos encontrado um ao outro”

    http://ppmbraga.blogspot.com/2011/11/o-natal-nao-sao-os-presentes-e.html

    Obrigado

    ResponderExcluir