Mas porque Almas Castelos? Eu conheci algumas. São pessoas cujas almas se parecem com um castelo. São fortes e combativas, contendo no seu interior inúmeras salas, cada qual com sua particularidade e sua maravilha. Conversar, ouvir uma história... é como passear pelas salas de sua alma, de seu castelo. Cada sala uma história, cada conversa uma sala. São pessoas de fé flamejante que, por sua palavra, levam ao próximo: fé, esperança e caridade. São verdadeiras fortalezas como os muros de um Castelo contra a crise moral e as tendências desordenadas do mundo moderno. Quando encontramos essas pessoas, percebemos que conhecer sua alma, seu interior, é o mesmo que visitar um castelo com suas inúmeras salas. São pessoas que voam para a região mais alta do pensamento e se elevam como uma águia, admirando os horizontes e o sol... Vivem na grandeza das montanhas rochosas onde os ventos são para os heróis... Eu conheci algumas dessas águias do pensamento. Foram meus professores e mestres, meus avós e sobretudo meus Pais que enriqueceram minha juventude e me deram a devida formação Católica Apostolica Romana através das mais belas histórias.

A arte de contar histórias está sumindo, infelizmente.

O contador de histórias sempre ocupou um lugar muito importante em outras épocas.

As famílias não têm mais a união de outrora, as conversas entre amigos se tornaram banais. Contar histórias: Une as famílias, anima uma conversa, torna a aula agradável, reata as conversas entre pais e filhos, dá sabedoria aos adultos, torna um jantar interessante, aguça a inteligência, ilustra conferências... Pense nisso.

Há sempre uma história para qualquer ocasião.

“Ide por todo o mundo e pregai o Evangelho a toda criatura” (Mc. 16:15)

Nosso Senhor Jesus Cristo ensinava por parábolas. Peço a Nossa Senhora que recompense ao cêntuplo, todas as pessoas que visitarem este Blog e de alguma forma me ajudarem a divulga-lo. Convido você a ser um seguidor. Autorizo a copiar todas as matérias publicadas neste blog, mas peço a gentileza de mencionarem a fonte de onde originalmente foi extraída. Além de contos, estórias, histórias e poesias, o blog poderá trazer notícias e outras matérias para debates.
Agradeço todos os Sêlos, Prêmios e Reconhecimentos que o Blog Almas Castelos recebeu. Todos eles dou para Nossa Senhora, sem a qual o Almas Castelos não existiria. Por uma questão de estética os mesmos foram colocados na barra lateral direita do Blog. Obrigado. Que a Santa Mãe de Deus abençoe a todos.

sexta-feira, 26 de abril de 2013

Os hábitos e os pecados ou vícios capitais

Enquanto a prática constante de atos bons, traz à pessoa a virtude estável; a prática reiterada de atos ruins faz o pecado ser um hábito constante. Difícil será deixar de pecar enquanto não combater os maus hábitos e insistir na prática constante das virtudes.

Não basta se confessar, para deixar de pecar. É preciso criar o hábito de praticar virtudes, pois a virtude transformada em hábito, e com o auxilio da graça, transformará o pecador numa pessoa virtuosa muito mais facilmente.

Muitas pessoas confessam-se sempre, mas não deixam de pecar porque não mudam seus péssimos hábitos. A pessoa deve sempre fugir do pecado, e das ocasiões próximas de pecado também (situações que podem levar ao pecado). É preciso rezar muito e criar o hábito de se ter uma vida virtuosamente saudável.

Muitas vezes quando se leva um tombo e se quebra o braço, a primeira coisa que a pessoa pensa é cuidar bem do braço, mas não dá atenção ao arranhão na perna. O braço pode ficar curado, mas o arranhão pode infeccionar e causar um transtorno para a perna maior do que o ocorrido com o braço. Assim é a vida do cristão. Aquele que combate apenas os grandes pecados, mas se esquece dos pequenos, pode ter os pequenos vícios transformados em hábito de vida e, por conseqüência, volta a pecar gravemente.

Vejamos o que diz o Catecismo Católico de São Pio X:

O vício é uma disposição má da alma que leva-a a fugir do bem e a fazer o mal, causada pela freqüente repetição dos atos maus.

Entre pecado e vício há esta diferença: que o pecado é um ato que passa, enquanto o vício é o mau hábito contraído de cair em algum pecado.

Os vícios que se chamam capitais são sete:

1º SOBERBA: manifestação de orgulho e arrogância.

2º AVAREZA: apego ao dinheiro de forma exagerada, desejo de adquirir bens materiais e de acumular riquezas.

3º LUXÚRIA: apego e valorização extrema aos prazeres carnais, à sensualidade e sexualidade; desrespeito aos costumes; lascívia.

4º IRA: raiva injusta ou desmedida contra alguém, vontade de vingança.

5º GULA: comer somente por prazer, em quantidade superior àquela necessária para o corpo humano.

6º VAIDADE: preocupação excessiva com o aspecto físico para conquistar a admiração dos outros.

7º PREGUIÇA: negligência ou falta de vontade para o trabalho ou atividades importantes.

Os vícios ou pecados capitais vencem-se com a prática das virtudes opostas. Assim, a SOBERBA vence-se com a HUMILDADE; a AVAREZA, com a liberalidade e CARIDADE; a LUXÚRIA, com a CASTIDADE; a IRA, com a PACIÊNCIA; a GULA, com a TEMPERANÇA; a VAIDADE, com a MODÉSTIA; a PREGUIÇA, com a DILIGÊNCIA E FERVOR no serviço de Deus.

Chamam-se capitais estes vícios, porque são a fonte e a causa de muitos outros vícios e pecados.

2 comentários:

  1. Meu amigo como sempre eu amo ler as suas postagens, e esta é uma delas. Peço licença para
    copiar.
    Desde já muito obrigada.
    Maria

    ResponderExcluir
  2. Olá irmão, Deus seja louvado! Tenhamos forças para lutar contra todo pecado, contra tudo que nos fasta de Deus!

    Um grande abraço carinhoso.
    Deus abençoe vc e sua família!

    ResponderExcluir