Mas porque Almas Castelos? Eu conheci algumas. São pessoas cujas almas se parecem com um castelo. São fortes e combativas, contendo no seu interior inúmeras salas, cada qual com sua particularidade e sua maravilha. Conversar, ouvir uma história... é como passear pelas salas de sua alma, de seu castelo. Cada sala uma história, cada conversa uma sala. São pessoas de fé flamejante que, por sua palavra, levam ao próximo: fé, esperança e caridade. São verdadeiras fortalezas como os muros de um Castelo contra a crise moral e as tendências desordenadas do mundo moderno. Quando encontramos essas pessoas, percebemos que conhecer sua alma, seu interior, é o mesmo que visitar um castelo com suas inúmeras salas. São pessoas que voam para a região mais alta do pensamento e se elevam como uma águia, admirando os horizontes e o sol... Vivem na grandeza das montanhas rochosas onde os ventos são para os heróis... Eu conheci algumas dessas águias do pensamento. Foram meus professores e mestres, meus avós e sobretudo meus Pais que enriqueceram minha juventude e me deram a devida formação Católica Apostolica Romana através das mais belas histórias.

A arte de contar histórias está sumindo, infelizmente.

O contador de histórias sempre ocupou um lugar muito importante em outras épocas.

As famílias não têm mais a união de outrora, as conversas entre amigos se tornaram banais. Contar histórias: Une as famílias, anima uma conversa, torna a aula agradável, reata as conversas entre pais e filhos, dá sabedoria aos adultos, torna um jantar interessante, aguça a inteligência, ilustra conferências... Pense nisso.

Há sempre uma história para qualquer ocasião.

“Ide por todo o mundo e pregai o Evangelho a toda criatura” (Mc. 16:15)

Nosso Senhor Jesus Cristo ensinava por parábolas. Peço a Nossa Senhora que recompense ao cêntuplo, todas as pessoas que visitarem este Blog e de alguma forma me ajudarem a divulga-lo. Convido você a ser um seguidor. Autorizo a copiar todas as matérias publicadas neste blog, mas peço a gentileza de mencionarem a fonte de onde originalmente foi extraída. Além de contos, estórias, histórias e poesias, o blog poderá trazer notícias e outras matérias para debates.
Agradeço todos os Sêlos, Prêmios e Reconhecimentos que o Blog Almas Castelos recebeu. Todos eles dou para Nossa Senhora, sem a qual o Almas Castelos não existiria. Por uma questão de estética os mesmos foram colocados na barra lateral direita do Blog. Obrigado. Que a Santa Mãe de Deus abençoe a todos.

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

São João, o Teólogo



Há um mistério sobre São João, o discípulo amado de Jesus. Uns dizem que São João não passou pela morte, outros dizem que sim. Estaria São João no paraíso terrestre, juntamente com Santo Elias, sendo alimentado pelo fruto da vida? Ou será que está no céu e ainda retornará à Terra para uma missão especial?

Segundo bispo Polícrates de Éfeso em 190 (atestada por Eusébio de Cesareia na sua História Eclesiástica, 5, 24), o Apóstolo "dormiu" (faleceu) em Éfeso. Contudo, conta-se que a mesma estava vazia quando foi aberta por Constantino para edificar-lhe uma igreja.

Controvérsias são suscitadas baseadas nos próprios textos bíblicos que afirmam que este discípulo não passou pela morte, segundo a interpretação de alguns. Com efeito é possível ler:

Em verdade vos digo que alguns há, dos que aqui se encontram, que de maneira nenhuma passarão pela morte até que vejam vir o Filho do Homem no seu Reino. (Mateus 16,28)

De outra parte está também escrito nos Evangelhos:

Então, Pedro, voltando-se, viu que também o ia seguindo o discípulo a quem Jesus amava, o qual na ceia se reclinara sobre o peito de Jesus e perguntara: "Senhor, quem é o traidor?" Vendo-o, pois, Pedro perguntou a Jesus: "E quanto a este?" Respondeu-lhe Jesus: "Se eu quero que ele permaneça até que eu venha, que te importa? Quanto a ti, segue-me."
Então, se tornou corrente entre os irmãos o dito de que aquele discípulo não morreria. Ora, "Jesus não dissera que tal discípulo não morreria", mas: "Se eu quero que ele permaneça até que eu venha, que te importa?
(João 21,18-25)

No apocalipse, nas visões de São João, consta claramente:

Tomei então o pequeno livro da mão do anjo e o comi. De fato, em minha boca tinha a doçura do mel, mas depois de o ter comido, amargou-me nas entranhas.
Então foi-me explicado: Urge que ainda profetizes de novo a numerosas nações, povos, línguas e reis.
(Apocalipse, 10: 10-11)

Assim, com esta introdução farei mais duas postagens sobre a vida de São João Evangelista, o teólogo.

(ilustração de Gustave Dore)

3 comentários:

  1. Tempo faz que não venho por aqui! Estava saudosa e encontro esse post tão interessante. Somente hoje, conheço essa história. Nunca a vi contada por alguém ou mesmo padres, nunca a li em lugar algum e olhe que eu leio, heim? Mas tudo bem, gostei muito do que eu li. Abração!

    ResponderExcluir
  2. Interessantíssimo, Jorge!

    Gostaria também de fazer um comentário sobre o comentário da Maria Luiza, nossa irmã em Cristo.

    O fato de os padres não falarem a respeito não significa que não possa ser verdade. Com efeito, os padres, devido à má formação no seminário (por causa de interferências da Teologia da Libertação, a decadência dos costumes, etc), acabam ignorando muitas coisas relativas à fé.

    Mas, graças a Deus, muitos católicos têm tomado consciência disso e têm procurado ler mais sobre as verdades da fé católica.

    João Paulo II pedia muito isso. E Bento XVI também tem pedido isso.

    ResponderExcluir
  3. Maria Luiza, minha grande amiga, agradeço o seu comentário e visita, que Deus lhe abençoe.
    Alex, meu grande amigo, também a voce agradeço sua visita e seu comentário.
    Cabe uma questão a ser levantada: A Santa Igreja jamais passou por crise tão profunda. Jacinta (a vidente que viu Nossa Senhora em Fátima) disse que os padres não deviam se meter com política. Meu comentário é no sentido de seguir sempre a voz dos Papas. Pauulo VI disse que a "fumaça de Satanás penetrou até no templo de Deus" e João Paulo II disse que "a Igreja está passando por tão profunda crise que é preciso ter a fé dos primeiros cristãos". O verdadeiro padre é aquele que zela pela alma dos fiéis, que ensina que a confissão é um sacramento instituido pelo próprio Jesus Cristo e sem ela não se chega ao céu. O Padre deve ser uma pessoa muito santa, ensinar (como Nossa Senhora disse) que "muitas modas não agradam a Deus". Não é de se admirar que ante tal crise São João possa apareçer no meio dos terriveis castigos já previstos tantas vezes e que só não veio até então por que Deus quer dar chance para as pessoas se arrependerem.
    A postagem que eu fiz foi lastreada na Sagrada Escritura. Mas esclareço que TODOS OS COMENTÁRIOS SÃO BENVINDOS. Especialmente por que partiram de dois GRANDES AMIGOS. Que Nossa Senhora nos ajude a todos nós.

    ResponderExcluir